Lista: 10 melhores filmes da década

31/12/2019 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

2019 chega ao fim e com ele a década iniciada em 2010. É provável que você já tenha se deparado com algumas listas por aí, seja elegendo os melhores filmes, seriados, álbuns, músicas ou livros desse período. E aqui você confere mais uma. Nos finalmentes do ano, reunimos nossa equipe e selecionamos alguns filmes que consideramos os maiores dos últimos dez anos. Vale lembrar que os títulos não estão em nenhuma ordem específica, e refletem a opinião de membros do Roteiro Nerd. Se liga!

Ela (2013)

Foto: Divulgação

Joaquin Phoenix interpreta Theodore, um homem depressivo e recém divorciado. Após conhecer um sistema inovador de inteligência artificial, ele se apaixona por Samantha (Scarlett Johansson), sua “companhia virtual”. O filme mostra um sofrimento moderno, seguido de um amor mais moderno ainda. A obra de ficção foi dirigida por Spike Jonze. Além de ter um ótimo roteiro, trilha sonora e atuações, a fotografia do filme é de encantar. 

Interestelar (2014)

Foto: Divulgação

Próximo de um colapso natural, um grupo de astronautas recebe a missão de vasculhar o universo atrás de um planeta com condições parecidas com as da Terra, o que possibilitaria que o povoamento pelos terráqueos. Dirigido por Christopher Nolan, o roteiro não se limita a ser apenas ficção científica, mas faz o espectador refletir sobre diversos assuntos, entre eles a condição e as relações humanas. 

A Chegada (2016)

Foto: Divulgação

Estabelecer um canal de comunicação com alienígenas que chegam à Terra seria um desafio difícil de lidar. Como entender um sistema linguístico de outro planeta e vice-versa? Em “A Chegada”, cabe à linguista Louise Banks (Amy Adams) e ao físico Ian Donnelly (Jeremy Renner) fazer contato com os “octapodes”. Dirigido por Denis Villeneuve, diretor insurgente da década, o longa surpreendeu pela sensibilidade no roteiro, os twists e principalmente pela marcante performance de Adams. O filme foi indicado a 8 categorias no Oscar, faturando a estatueta pela Edição de Som.

Mad Max: Estrada da Fúria (2015)

Foto: Divulgação

Ninguém imaginava que quando George Miller resolvesse voltar ao seu mundo pós-apocalíptico de poeira e óleo, 30 anos depois de “Mad Max 3: Além da Cúpula do Trovão” (1985), ele nos presentearia com um clássico instantâneo de ação. Mas foi exatamente o que aconteceu. Parte remake, parte sequência, “Estrada da Fúria” coloca o espectador no banco do passageiro ao longo de uma perseguição frenética no meio de um deserto hiper-saturado, rendendo belas visões de um caos orquestrado e adrenalina pura. Além, claro, da personagem icônica de Charlize Theron, a Imperatriz Furiosa.

Parasita (2019)

Um dos filmes mais comentados desse ano não poderia deixar de entrar para essa lista. Contando a história de uma família pobre, que se vê subitamente empregada em uma casa de ricaços, vemos o cineasta sul-coreano Bong Joon-ho tecer uma trama que mostra a luta de classes atrás desse esquema parasitário, além de criticar todo um sistema de privilégios em favor das dificuldades alheias. O elenco é extraordinário e os personagens construídos de tal maneira que você consegue se ver envolvido na vida de ambas as famílias. E toda a sequência do terceiro ato chega como um golpe ainda mais forte para o espectador sobre a fluidez da dinâmica das camadas sociais. O filme chega forte na temporada de premiações com as indicações de Melhor Filme Estrangeiro, Melhor Roteiro e Melhor Diretor no Globo de Ouro 2020.

A Criada (2016)

Foto: Divulgação

Mais uma prova da crescente do cinema sul-coreano é o longa “A Criada”. Composto em três atos, cujo seu anterior sempre termina com uma reviravolta, a sensação é que você assistiu três filmes em um. No começo somos apresentados a Sook-hee (Kim Tae-ri), que se torna empregada de Hideko (Kim Min-hee). O que nos é dito é que a criada trata-se de uma exímia ladra, colocada nessa casa para ajudar um vigarista a dar o golpe na senhorita, que tem uma enorme fortuna. Porém as duas jovens acabam se envolvendo romanticamente. A partir daí é preciso acompanhar a trama para se encantar com suas reviravoltas, e com a sensibilidade com que trata sua personagens, não caindo na armadilha de fetichizar o romance lésbico, mas sim apresentá-lo de forma natural. O filme garantiu o BAFTA de Melhor Filme Estrangeiro, além de outras premiações na Ásia e fora dela.

Birdman (2014)

Foto: Divulgação

Numa década cheia blockbusters de super-heróis e que viu os cinemas inundados pelos filmes da Marvel (que tem um espaço em nossas menções honrosas), “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)” veio exatamente na hora certa. Mais do que um retrato, uma indagação filosófica sobre os rumos e o futuro da arte, o filme de Alejandro G. Iñárritu não economiza munições e ataca todos os lados da indústria cinematográfica, incluindo o próprio público. Antes de Martin Scorsese causar polêmica no fim da década com sua crítica ao cinema dos heróis, Iñárritu fez, no centro dela, uma obra com conteúdo (numa sátira recheada de ironia) e técnica (simulando um único plano sequência em todo o longa) avassaladoras sobre a velha dualidade entre arte e entretenimento.

O Grande Hotel Budapeste (2014)

Foto: Divulgação

O gerente e um simples empregado de um hotel europeu tornam-se muito amigos durante a década de 1930. Para além da amizade, o roubo de um quadro renascentista de muito valor os une mais ainda. O roteiro está dividido em sete partes, tendo um prólogo e um epílogo. A comédia dirigida por Wes Anderson chama atenção pela direção de arte, em especial pela paleta de cores e a simetria no enquadramento das cenas.    

Your Name (2016)

Foto: Divulgação

Planetas alinhados, a passagem de um cometa e dois jovens vivendo em pontos diferentes do Japão. Essa história, apesar de não nos mostrar um plot original, explora a simplicidade da vida adolescente japonesa enquanto nos hipnotiza com a qualidade de sua animação. Foi dirigido por Makoto Shinkai e eleito, no ano de seu lançamento, como o melhor filme pela Academia Japonesa de Cinema. Por ser um dos poucos filmes orientais que chegam ao conhecimento massivo do ocidente, resolvemos colocá-lo nesta lista.

Coringa (2019)

Foto: Divulgação

Joaquin Phoenix aparece mais uma vez na nossa lista interpretando Arthur Fleck, um comediante com problemas mentais lutando para se reintegrar em uma Gotham despedaçada. Após ser demitido de sua agência, acaba perdendo o controle e assassinando três homens no metrô e iniciando, sem querer, um movimento popular contra a elite da sociedade. A direção de Todd Phillips com a atuação genial de Phoenix trouxe para “Coringa” um belo estudo sobre a divergência das classes sociais e a loucura da sociedade.

Menções honrosas:

Foto: Divulgação

Como muitas produções ótimas ficaram de fora da nossa lista, resolvemos colocar aqui algumas menções honrosas relacionadas a filmes de gênero e afins. Primeiro com “Logan” (2017), que foi um marco para o cinema de super-herói trazendo a despedida do nosso querido Wolverine (Hugh Jackman) em uma trama densa, que traz uma carga dramática ainda mais pesada para o personagem e para todo o universo dos X-Men. “Bacurau” (2019) também merece o seu lugar, o longa nacional foi um dos assuntos mais comentados do ano, marcando presença em premiações estrangeiras e mostrando como o Brasil pode se destacar no circuito internacional de cinema. 

Uma saga que se destacou nessa década foram os filmes da tetralogia “Jogos Vorazes” (2012-2015), a narrativa de Katniss (Jennifer Lawrence) arrastou uma legião de fãs, além daqueles dos livros, ao mostrar uma distopia adolescente com fundos de críticas políticas e que trouxe com mais força um protagonismo feminino aos cinemas. Outra personagem feminina de destaque é a Thomasin de Anya Taylor-Joy, no longa “A Bruxa” (2015). A trama faz parte do movimento conhecido como pós-terror, buscando causar mais desconforto e tensão no espectador do que sustos gratuitos, como é padrão. Por fim, vamos nos lembrar de uma produção que homenageia os musicais clássicos de hollywood: “La La Land: Cantando Estações” (2016), a história de amor entre um músico e uma atriz rendeu seis prêmios Oscar, além de extensos elogios da crítica e uma bilheteria arrasadora.

E não poderíamos deixar de mencionar também o Universo Cinematográfico da Marvel, que mesmo não tendo se passado inteiramente nesta década, conseguiu finalizar sua primeira grande fase em 2019 com “Vingadores: Ultimato”. Esse foi um trabalho desenvolvido desde 2008, com o primeiro “Homem de Ferro” e certamente se concretizou como um marco para a história do cinema.