Análise de Monster Hunter Rise: Sunbreak 

08/07/2022 - POSTADO POR EM Jogos
Post thumbnail

Lançado em março de 2021, Monster Hunter Rise finalmente ganhou sua primeira grande expansão: Sunbreak, que está disponível para Nintendo Switch e PC. Embora seja um DLC, o título consegue extrapolar vários aspectos do jogo base, garantindo nova história, monstros inéditos, outras opções de combate e localidades incríveis.

Como já fizemos um veredito sobre Rise, vamos falar agora somente sobre as novidades de Sunbreak. Inclusive, agradecemos à Capcom pelo fornecimento da chave do jogo para realizar esta análise.

Ajude o Roteiro Nerd e contribua com até R$ 1

>> Leia também o veredito de Monster Hunter Rise.

Antes de tudo 

Mesmo que tenha finalizado o modo história de Rise, fique sabendo que é necessário concluir a Missão de 7★ na Área de Encontro: Serpente Deusa do Trovão. Somente a partir disso o conteúdo de Sunbreak é desbloqueado. Confesso que não tinha essa informação, e por isso achei que o jogo tivesse algum bug. Porém, basta realizar essa missão e tudo dará certo. 

História de Sunbreak

Monster Hunter Rise: Sunbreak começa após a defesa heróica da Aldeia Kamura. As notícias da sobrevivência da aldeia inspiram a galante cavaleira Dama Fiorayne a viajar pelo distante Reino em busca de ajuda. Os caçadores que tiverem coragem o suficiente para atender o chamado partirão para o porto do Posto Elgado

Esse centro de pesquisa é responsável por parar a ameaça que ameaça o Reino. O topo da lista de alvos inclui criaturas poderosas inspiradas em clássicos do horror ocidental, conhecidos como Os Três Lordes. Esse trio é composto pela potência elemental Garangolm, a arrepiante Serpe de Presas Lunagaron e o vampiresco Dragão Ancião Malzeno

Também surgem novas variantes de monstros e criaturas favoritas dos fãs, incluindo Magnamalo Desprezível, Espinas e Shagaru Magala, que vêm desafiar os caçadores na dificuldade de missão de Ranque Mestre.

Como todo Monster Hunter, a história é divertida, mas está longe de ser a grande estrela do show. Sabemos que o contexto serve apenas para o surgimento de novos inimigos e conflitos. Apesar disso, os personagens são carismáticos e deixam a jornada melhor do que em Rise

Vale reforçar que o jogo está completamente localizado em português. A Capcom como sempre faz um excelente trabalho e ensina à Nintendo a tratar o público brasileiro com todo o respeito e amor que merece.

Análise de Monster Hunter Rise: Sunbreak
Imagem: Monster Hunter Rise: Sunbreak

Novas habilidades

Em Sunbreak, os caçadores precisam aprender outras formas de combate para derrotar essas forças calamitosas. É possível adquirir novas Habilidades de Troca, além de ganhar a técnica inédita de Mudar Habilidades de Troca. Essa nova mecânica permite que os caçadores atribuam Habilidades de Troca a dois carregamentos diferentes, que podem ser alternados em tempo real durante uma caçada

A flexibilidade adicional de escolher quais habilidades são melhores para qualquer situação permite que um caçador supere qualquer obstáculo. Ao receber ataques durante uma Mudança de Habilidade de Troca, os caçadores podem realizar uma Esquiva com Troca em qualquer direção para evitar o perigo ou para se reposicionar e continuar atacando.

Esta novidade permite que o gameplay fique muito mais orgânico e versátil. Anteriormente, era fácil levar golpes rápidos dos monstros, já que o tempo de esquiva era reduzido para realizar diversos comandos. Agora, tudo ficou mais prático

Análise de Monster Hunter Rise: Sunbreak
Imagem: Monster Hunter Rise: Sunbreak

Localidades inéditas

Temos dois novos locais de caça com uma grande variedade de ambientes: Forte e Selva. O Forte possui picos nevados que descem em cascata até florestas exuberantes repletas de formas de vida nativas. No centro dessa vasta região fica uma fortaleza há muito abandonada que serve de bastião para os próprios monstros que ela deveria manter afastados. Já a Selva apresenta um clima quente com chuvas abundantes, tornando-a um paraíso para os monstros e vegetação que lá vivem.

Assim como em Rise, as localidades são extremamente bonitas e jamais vão cansar você. Até hoje ainda não sei qual bruxaria a Capcom utiliza para conseguir um jogo tão bom para o Nintendo Switch, alinhando performance com gráficos

Análise de Monster Hunter Rise: Sunbreak
Imagem: Monster Hunter Rise: Sunbreak

Relação com personagens 

Outra novidade de Sunbreak é a possibilidade de criar laços com o elenco de personagens por meio das Missões de Seguidor. Basicamente, esses desafios permitem que os caçadores realizem atividades em conjunto com seu personagem favorito do jogo. Cada Seguidor tem sua própria especialidade, e eles ainda podem ajudar os jogadores recuperando sua vida, colocando armadilhas e até mesmo fazendo montaria em criaturas para virar o jogo numa batalha. 

Membros do Posto Elgado, como Fiorayne, Luchika, Jae, Almirante Galleus e o Mestre Arlow, estão acessíveis como Seguidores, além dos membros da Aldeia Kamura, como Hinoa e Minoto. Os jogadores podem desbloquear Seguidores conforme progridem na história, e ainda conseguir recompensas exclusivas.

Pra mim, essa adição foi uma grande surpresa e confesso que gostei bastante. Nem todo mundo tem a possibilidade de jogar online, e esse tipo de mecânica deixa a aventura mais divertida para quem odeia jogar sozinho. 

Análise de Monster Hunter Rise: Sunbreak
Imagem: Monster Hunter Rise: Sunbreak

Atualização gratuita

Sunbreak mal saiu e a Capcom fez questão de revelar que novos conteúdos serão lançados gratuitamente para quem comprou o DLC. O que temos confirmado até agora é o retorno de Nargacuga Luzente, a Serpe Veloz da Lua, e Bazelgeuse Vulcânico em agosto, juntamente com a icônica Arena Desolada. Depois disso, mais atualizações de conteúdo estão planejadas para o quarto trimestre e para 2023.

Análise de Monster Hunter Rise: Sunbreak
Imagem: Monster Hunter Rise: Sunbreak

Veredito

Monster Hunter Rise: Sunbreak é tudo que os fãs tanto pediram para a Capcom. O DLC consegue oferecer muita novidade e garantir praticamente a experiência de um novo jogo. Você vai precisar gastar horas e mais horas para conseguir zerar tudo. 

Pra mim, o “grande problema” é o conteúdo ficar disponível apenas quando o caçador realiza a missão Serpente Deusa do Trovão. Como não é algo simples de concluir, talvez alguns jogadores casuais acabem demorando a chegar ao que realmente importa: derrotar Os Três Lordes

Pontos positivos

– Novos monstros e habilidades

– Gráfico e performance 

– Longa duração  

– Gameplay otimizada

Pontos negativos

– História poderia ser melhor

– Conteúdo só fica disponível quando realizar a missão Serpente Deusa do Trovão.


NOTA: 9