Veredito de Os Testamentos

25/07/2021 - POSTADO POR EM HQs/Livros
Post thumbnail

A continuação de O Conto da Aia (1985) demorou mais chegou. O livro de Margaret Atwood foi lançado em 2019 aqui no Brasil pela editora Rocco e relançado neste ano em uma versão capa dura. 

Nós já falamos por aqui sobre a nova edição do primeiro livro desta série e agora vamos contar tudo o que achamos da sua sequência, chamada de Os Testamentos. 

Novos personagens

Mesmo sendo uma continuação de O Conto da Aia, este livro não é narrado por Offred, a protagonista anterior. Na verdade, teremos três novas personagens mulheres para observar: Tia Lydia, Agnes e Daisy.

Duas delas estão em Gilead, uma como Tia e a outra como filha de um Comandante. A última é uma adolescente do Canadá, que conhece seu país vizinho apenas pelas aulas de histórias e os protestos nas ruas.

Os Testamentos mostra a vida dessas três mulheres, cada uma enfrentando dilemas diferentes, mas que no final terão seus destinos cruzados de uma maneira inesperada.

“- Vocês vão ficar sabendo dessas coisas todas quando chegarem na idade – dizia a tia Vidala. Essas coisas todas: as Aias faziam parte dessas coisas todas. Era algo ruim, então; algo daninho, ou algo danificado, o que talvez fosse a mesma coisa. Será que algum dia as Aias já tinham sido como nós, brancas, rosas e violetas? Será que se descuidaram, deixando alguma parte tentadora delas de fora? ”

Os Testamentos, pág. 24.

Histórias diferentes

Esta continuação consegue ser tão surpreendente e cativante quanto o seu antecessor, mas a vantagem aqui é que podemos nos aprofundar ainda mais nas histórias de Gilead. Se O Conto da Aia já não havia te convencido o quanto o sistema autoritário e teocrático deles é cruel, esse aqui termina o serviço.

É muito mais difícil observar uma criança lidando com as limitações que o seu estilo de vida gileadiano lhe oferece, com todas as mentiras, tramoias e o destino final que lhes é empurrado desde a menor idade, causando terror. Mesmo sendo uma leitura cativante, algumas partes são difíceis de ler.

Já a parte que diz respeito à Tia Lydia surpreende por trazer mais camadas à essa personagem que recordávamos como muito unilateral. Aqui ela ganha um passado diferente da série The Handmaid’s Tale (2017-), mas ainda assim muito condizente. É incrível todo o poder que as Tias conseguem acumular por debaixo dos panos, e todas as intrigas que existem nesse sistema.

Talvez a parte menos interessante do livro seja justamente a de Daisy, como uma adolescente no Canadá ela só vê Gilead de fora. Mesmo que sirva para nos situar da visão exterior que tem o país, isso não é tão aprofundado, então se torna mais monótono no início.

“- Louvado seja – falei. – E o senhor? E sua Esposa? – Aquela Esposa estava durando mais do que o normal. Suas Esposas tinham o costume de morrer: o Comandante Judd possui um grande apreço pelos efeitos revigorantes de meninas moças. tal qual o rei Davi e uma miríade de chefões do tráfico centro-americanos. Após cada período de luto respeitável, ele dá a entender que está disponível novamente para uma noiva infantil. Sendo clara: ele dá a entender para mim.”

Os Testamentos, pág. 73

Veredito

Os Testamentos consegue ser tão fascinante quanto o seu antecessor, é igualmente bem escrito e nos mostra facetas de Gilead nunca antes vistas. Suas personagens têm lutas pessoais a serem enfrentadas e evoluem muito ao longo da leitura.

Com o número extra de protagonistas acabamos ganhando páginas a mais também, sendo esta maior do que o livro anterior, mas elas fluem bem. Outro ponto a se destacar é que o final nos traz um posfácio semelhante àquele de O Conto da Aia, mostrando um simpósio acadêmico que discute os testemunhos que acabamos de ler.

Para os fãs de The Handmaid’s Tale que não tiveram contato com O Conto da Aia, este livro pode ser lido sem qualquer problema, embora fique aqui a recomendação da outra obra também, que é excelente. Além disso, aqui podemos ter um vislumbre do que nos aguarda no futuro da série.

Pontos negativos

  • Narração da Daisy, que pode ser cansativa

Pontos positivos

  • Descobrimos mais coisas sobre Gilead
  • Livro muito bem escrito
  • História interessante de acompanhar

NOTA: 9,5