Veredito de Bem-Vinda a Quixeramobim

13/10/2022 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

O mais novo longa brasileiro Bem-Vinda a Quixeramobim, de Halder Gomes (Cine Holliúdy, O Shaolin do Sertão), chegou aos cinemas e promete ser mais uma comédia nordestina bem-humorada. Nós conferimos o longa e vamos contar nossas impressões.

Leia também: 

>ELENCO DE BEM-VINDA A QUIXERAMOBIM PARTICIPA DE COLETIVA PARA DIVULGAÇÃO DO LONGA

No interior do sertão

Aimeé (Monique Alfradique) é uma digital influencer paulista que sempre viveu no luxo graças a seu rico pai, mas que vê seu mundo dar uma volta quando ele é preso e a deixa sem qualquer acesso ao dinheiro a que está acostumada. 

Tomando uma decisão desesperada, ela resolve ir para o interior do Ceará, na cidade de Joata, próxima a Quixeramobim, para vender uma propriedade que pertence a sua falecida mãe.

Chegando lá, Aimeé conhece pessoas que vão mudar novamente sua vida, e de uma forma que ela nunca achou possível. Com o jeitinho cearense de ser, a influencer se apega a todos que vai conhecendo, desde a dona do cabaré/pousada da cidade, até o aparente dono da casa de sua mãe.

Imagem de divulgação de Bem-Vinda a Quixeramobim

Natural da região

Uma comédia brasileira que há tempos não se apreciava nos cinemas, Bem-Vinda a Quixeramobim busca trazer o humor de volta à vida do espectador de forma natural e gostosa. Piadas dentro de um contexto que faz com quem assiste se divertir na maior parte do tempo, mas é possível sentir uma forçada de barra quando a narrativa muda de ritmo ao tratar de assuntos também relevantes na região.

Outro ponto muito bom, é como você sente a influência do cearense de forma orgânica dentro da história. Falas, manias e a cultura do Ceará são representadas de forma que apenas alguém natural do estado consegue fazer.

O elenco também foi muito bem pensado. Grande parte dele é nativo do Nordeste, e isso faz com que os jeitos e os sotaque saiam de forma orgânica, e mesmo que tenha cenas no qual você não consiga acreditar que Monique Alfradique esteja falando um “cearensês”, a reflexão fica presente para que seja possível sentir a influência agindo na moça.

Imagem de divulgação de Bem-Vinda a Quixeramobim

Veredito

O longa marca a estreia de Max Petterson nos cinemas, e o destaque é bem merecido. O personagem Eri, interpretado pelo ator, é de um bom gosto e realismo regional que você sorri apenas com a presença do rapaz, além de sua química natural com qualquer que seja seu parceiro de cena.

Bem-Vinda a Quixeramobim foi gravado durante a pandemia, e por isso sofreu alterações em seu roteiro original, mas não se é capaz de trazer qualquer crítica em seu formato divertido. Além de um elenco de peso para o cenário cearense, com Silvero Pereira e Edmilson Filho, o filme fica indicado para os amantes do cinema nacional e da representatividade regional, com uma visão inversa da emigração brasileira.

Pontos positivos:

  • Roteiro
  • Direção 
  • Elenco
  • Comédia

Pontos negativos:

  • Ritmo

NOTA: 9.5/10