Veredito de Obi-Wan Kenobi

30/06/2022 - POSTADO POR EM Séries
Post thumbnail

A quinta série do universo de Star Wars lançada pela Disney+, Obi-Wan Kenobi estava no topo das mais aguardadas pelos fãs por trazer Ewan McGregor e Hayden Christensen reprisando seus papéis icônicos da trilogia de prequels da saga.

Será que a série atingiu as expectativas do hype? Confira o nosso veredito.

O Hiato

10 anos após os eventos de A Vingança dos Sith (2005), em que o Império derrotou a República e passou a caçar os Jedi da galáxia, enfim descobrimos o que ocorreu com o mestre Obi-Wan (Ewan McGregor) durante esse longo período.

O guerreiro “aposentado” trabalha como uma espécie de açougueiro e, no tempo livre, acompanha de longe o jovem Luke e sua família em Tatooine. Porém, longe dali, a pequena Leia é raptada e seu pai adotivo, Senador Organa, suplica pela ajuda de Obi-Wan para resgatá-la. Durante a jornada, o Jedi é exposto e reencontra um amigo-transformado-em-inimigo, Vader.

Imagem: Divulgação

De cara, é possível atestar: a minissérie poderia – e deveria – ter sido um filme. É compreensível que seja mais seguro para a Disney lançar a obra pelo streaming sem depender de números de bilheteria e com a garantia de engajamento semanal.

Entretanto, é muita enrolação na caça de gato e rato, com pouquíssimos momentos de emoção genuínos, para encher seis episódios. O fato de quase tudo ali não gerar nenhuma ameaça real, visto que sabemos os destinos da maioria dos personagens, retira o suspense e a tensão necessários para episódios empolgantes.

Imagem: Divulgação

A Grande Novidade

A personagem mais interessante na produção é Reva (Moses Ingram), ou Terceira Irmã. Seu arco ganha mais peso a partir do penúltimo episódio, com um flashback revelador de suas origens – embora não tenha muita lógica com suas atitudes. Aqui, vou comentar um SPOILER, então se não viu a série, pule o próximo parágrafo

Reva trabalha para o Vader para um dia se aproximar o suficiente para tentar matá-lo? Por que não continuar com os Jedi evitando que o Império mate outros inocentes, se o seu trauma é esse? E por que buscar Luke no episódio final mesmo depois de enfrentar Vader e quase morrer? Um grande desperdício de personagem, que nunca foi citada posteriormente no cânone da saga no cinema.

Imagem: Divulgação

Veredito

O comparativo com O Mandaloriano é inevitável. Enquanto lá o universo da franquia é expandido com muita riqueza e aos poucos elabora uma jornada dramática firme entre Mando e Grogu, em Obi-Wan tudo depende de nostalgia barata prometendo novas perspectivas sobre o protagonista e acaba iludindo o público.

Até os duelos são sem graça. Cria-se uma expectativa enorme para o encontro entre Vader e Ben e, quando ele ocorre no terceiro episódio, é em um local cinzento, onde só dá para ver dois pontos de luz (sabres) durante uma sequência de luta fraca. No último episódio, a outra luta é melhorzinha e ainda assim deixa a desejar uma ação digna de Jedi vs Sith. O carisma do McGregor é enorme, claro, mas somente isso não segura quase cinco horas.

A diretora Deborah Chow já mostrou que sabe conduzir bem uma história em O Mandaloriano (com os episódios 3 e 7 da 1ª temporada). Porém, em algum ponto entre essas produções, a diretora relaxou e preferiu realizar uma série seca visualmente, pobre de drama e abaixo de praticamente qualquer obra do universo Star Wars.

Pontos positivos:

  • Carisma de Ewan McGregor

Pontos negativos:

  • História arrastada 
  • Duelos pouco inventivos e empolgantes

Nota: 4