Veredito da 2ª temporada de Fate: A Saga Winx

24/09/2022 - POSTADO POR EM Séries
Post thumbnail

Chegou na Netflix a segunda temporada da série Fate: A Saga Winx, baseada na famosa animação O Clube das Winx (2004 – 2019). Nós conferimos os novos episódios e viemos contar sobre para vocês.

A Diretoria

Para quem não lembra, a última temporada terminou com Bloom (Abigail Cowen) se “transformando”, derrotando os Queimados e libertando Rosalind (Miranda Richardson), que assume a diretoria da escola sob apoio da Rainha de Solaria, Luna (Kate Fleetwood), e do renomado especialista Andreas (Ken Duken), pai de Sky (Danny Griffin).

No segundo ano acompanhamos o desenrolar desses fatos. Assim, com o sumiço de Dowling (Eve Best) e a prisão de Silva (Robert James-Collier), as fadas e especialistas estão à mercê das ordens da diretoria. Todos ficam bastante receosos, principalmente Bloom, por quem  a nova diretora parece nutrir um profundo interesse. 

Além disso, há um estranho padrão de fadas desaparecendo pela escola, mas que quase ninguém anda prestando atenção, até as Winx tomarem conhecimento.

Imagem de divulgação de Fate: A Saga Winx

Pouco Espaço 

Enquanto a produção parece ter um ótimo cuidado com os efeitos especiais, não há como negar a negligência em outras áreas. A temporada possui pouco espaço para tanta coisa acontecendo, o que gera grotescos erros de continuidade e roteiro.

São tantos plots acontecendo ao mesmo tempo, que você perde total interesse no acontecimento em si, como se o roteiro tivesse criado uma expectativa grande, mas que não consegue entregar a grande reviravolta para ter uma real diferença.

Dentro desse ano, além do aprofundamento do relacionamento de Bloom e Sky (que talvez para um público juvenil seja mais relevante), há, mais uma vez, o uso da personagem Terra (Eliot Salt) para trazer toda a representatividade da série, mas que parece só mais uma tentativa desesperada de trazer alguma funcionalidade para ela na trama.

Imagem de divulgação de Fate: A Saga Winx

Veredito

A personagem melhor desenvolvida, mais uma vez, mas que possui uma limitação em sua participação, é a de Beatrix (Sadie Soverall). Enquanto Bloom e as demais Winx estão perdidas em um roteiro confuso e, por vezes, sem sentido, a “vilã” demonstra consistência e relevância para que a história aconteça.

A nova temporada de Fate: A Saga Winx talvez deixe os fãs jovens mais ávidos para sua continuidade, que é necessário apontar, termina de uma forma muito boa, mas que provavelmente não tem força para se estender em um terceiro ano.

Pontos positivos:

  • Beatrix
  • Efeitos Especiais

Pontos negativos:

  • Roteiro
  • Continuidade

NOTA: 5