The Handmaid’s Tale: Primeiras impressões da quinta temporada

23/09/2022 - POSTADO POR EM Séries
Post thumbnail

A quinta temporada de The Handmaid’s Tale (2017 – ), produção do Hulu, está sendo lançada no Brasil pela Paramount+, com novos episódios disponíveis todo domingo. Ao contrário do que os fãs esperavam, essa não será a última temporada, mas sim a penúltima. Conferimos os três primeiros episódios e vamos contar nossas impressões iniciais.

ATENÇÃO: O TEXTO A SEGUIR CONTÉM SPOILERS DA QUARTA TEMPORADA

June está decidida a se vingar

Após matar Fred Waterford (Joseph Fiennes) e enviar um dedo para sua esposa presa no Canadá, June (Elizabeth Moss) demonstrou que não está para brincadeira e que quer vingança a todo custo daqueles que destruíram sua vida. Ainda na quarta temporada, testemunhamos inúmeros momentos que a ex-aia não conseguia se adaptar à nova vida junto de sua família, principalmente porque uma de suas filhas ainda está em Gilead.

Para destruir aqueles que a fizeram mal, ela conta com a ajuda das refugiadas e de um grupo de resistência no Canadá, como é mostrado no primeiro episódio da quinta temporada. Entretanto, mesmo elas tendo um objetivo em comum, é nítido que June já passou do limite do que é aceitável e está consumida pelo desejo de vingança. 

Os dois primeiros episódios são dirigidos por Elizabeth Moss, que utiliza com frequência tomadas em close e enquadramentos que dão enfoque na sua expressão raivosa como June. 

Imagem: Divulgação

O Paradeiro de Hannah

Hannah é a filha mais velha de June e ela está chegando na idade em que se tornará uma esposa em Gilead. Isso é um dos maiores medos de June, que precisa achar uma maneira de tirar a garota de lá antes que seja tarde demais.

Ao longo das temporadas passadas, fomos tendo em raros momentos algumas pistas de onde e com quem Hannah estava. Porém, os novos episódios parecem focados em explorar justamente como é crescer sendo uma mulher em um local tão opressor. Além disso, já temos uma pequena noção que Hannah será utilizada por Serena (Yvonne Strahovski) para atacar June.

Imagem: Divulgação

Uma temporada mais lenta

Apesar da terceira temporada ter sido a mais arrastada até agora, a quinta tem também um ritmo mais lento nos acontecimentos, porém nem por isso eles serão menos impactantes. Esse é o caso do primeiro e do terceiro episódio. Ambos são muito importantes para a história por mostrar como a engrenagem de Gilead está funcionando após a queda de um dos comandantes mais importantes.

O que chama atenção nesses episódios são os diálogos que expõem acontecimentos e discussões importantíssimas para o desenrolar da trama futuramente. É claro, isso é algo que requer um pouco de paciência do espectador, já que estamos acostumados com acontecimentos fortes o tempo inteiro.

Imagem: Divulgação

A série precisa acabar

Estávamos todos preparados e animados para ver o final de The Handmaid’s Tale até que, junto com o primeiro episódio da nova temporada, veio o anúncio da sexta (e agora sim, última) temporada. Apesar da série continuar muito boa é perceptível que ela precisa de um final logo para acabar com dignidade.

O principal exemplo disso é o fim dado à personagem Emily (Alexis Bledel), que recebeu um fim completamente aleatório e frustrante tanto para aqueles que são fãs da série, quanto também do livro. Para conseguir se manter como uma das melhores séries da atualidade, The Handmaid’s Tale precisa de um desfecho mais cedo do que tarde.

Imagem: Divulgação