Primeiras impressões de Sandman

05/08/2022 - POSTADO POR EM Séries
Post thumbnail

Sandman chega à Netflix como uma das séries mais aguardadas do ano, e o streaming já nos permitiu conferir os episódios iniciais dessa tão aguardada produção. Agora, trazemos a você nossas primeiras impressões da adaptação da icônica obra de Neil Gaiman.

Por isso, já chega também a mensagem de que, a matéria a seguir pode conter pequenos SPOILERS.

 Ajude o Roteiro Nerd e contribua a partir de R$ 1

O Senhor do Sonhar

A série inicia da maneira mais fiel possível aos quadrinhos, tendo tão poucas alterações que só quem leu recentemente ou é um fã assíduo vai notar a diferença, o que contribui para tornar a adaptação bastante agradável em seu início.

Sandman conta a história de Morpheu, o Sonho dos Perpétuos, que foi aprisionado por um humano que o confunde com sua irmã mais velha, a Morte. Enquanto o velho que o aprisionou tenta barganhar desejos que ele não pode ceder, o ser fica a observar, dentro de uma redoma de vidro, os anos passarem, incapaz de se libertar. Quando o senhor dos sonhos finalmente escapa, de volta para o seu reino, o Sonhar, ele vê que tudo aquilo que ele criou se tornou escombros e ruínas.

Agora, para que ele possa lembrar aos sonhos, e principalmente pesadelos, quem é seu senhor, e restaurar seu domínio, Morpheu precisa encontrar seus três artefatos; a pedra do sonho, representada por um rubi, o elmo do sonho e a bolsa de areia do sono. Esses três objetos nas mãos do Senhor do Sonhar tem capacidade de amplificar seus poderes, mas, nas mãos erradas, podem destruir tanto a ele quanto qualquer sonho.

Imagem de divulgação de Sandman

Sonhos e Pesadelos

O ritmo inicial de Sandman é mais coeso que seu quadrinho – algo muito bom de se ressaltar. Enquanto na HQ pode haver uma confusão imagética (que era proposital ao estilo da época de lançamento em 1989), dentro da série os produtores decidiram organizar melhor seus pensamentos e o ritmo, tanto das cenas como dos episódios, ficou bem mais fácil de acompanhar.

Enquanto isso, infelizmente, a série se esforça tanto em ter uma veracidade com seus diálogos fiéis ao mundo criado por Gaiman (e de forma espetacular, até), que quase esquece a qualidade de seus efeitos especiais. As telas verdes são nítidas e a maquiagem deixa um pouco a desejar, salvando, até o momento, poucas cenas. Contudo, é bom apontar que elas também não são o foco da adaptação.

Sonhos e Pesadelos vão surgindo e cativando a audiência por serem personagens muito bem construídos, o que já nos estimula a desenvolver uma atenção engajada na adaptação de forma positiva. A mitologia de Sandman foi bem trabalhada e sem dúvidas é um dos auges da série.

Imagem de divulgação de Sandman

Primeiras Impressões

Fugindo de sua fórmula para a TV, a Netflix investiu muito bem no roteiro de Sandman, e isso tudo se deve a influência não apenas de Neil Gaiman na roteirização e produção da série, mas também ao fato do selo Vertigo da DC dar maior liberdade de assuntos e falas para seus personagens.

A representatividade social, que já havia sido noticiada na fase de produção, foi muito bem aproveitada. Além disso, os atores estão dignos de nota em seus papéis, deixando claro que houve um estudo profundo para cada um deles e de forma espetacular.

Com os primeiros episódios, Sandman promete muito nos quesitos roteiro e adaptação, e mesmo que peque em efeitos visuais, talvez seja fácil perdoar, se tudo mais for entregue.

Imagem de divulgação de Sandman