5 motivos para assistir A Queda da Casa de Usher

08/11/2023 - POSTADO POR aviator velas altas EM Séries

A Queda da Casa de Usher foi a aposta da Netflix para o Halloween deste ano. A minissérie mistura terror, suspense e mistério, é dirigida por Mike Flanagan e baseada no conto de Edgar Allan Poe, conhecido por criar um universo de mistério e tristeza em suas obras literárias. 

O enredo conta a história dos irmãos Usher, responsáveis pela construção de um império farmacêutico que conseguiu prosperar em meio à crise de opioides americana. Porém, a dinastia familiar começa a ruir quando cada um dos herdeiros morre misteriosamente. Nós conferimos a minissérie e vamos te mostrar cinco motivos para assistir essa produção. Acompanhe.

1. Inspirada em um autor clássico

A Queda da Casa de Usher é uma adaptação para os dias atuais de um conto homônimo de Poe, um dos mais conhecidos e aclamados do autor, publicado em 1839. Entretanto, existem inúmeras referências a outras obras do mesmo, não só aos contos, mas também aos poemas, seja nos nomes dos personagens ou em algum acontecimento. 

Entre elas estão o poema O Corvo (1845), os contos O Gato Preto (1843) e A Morte da Máscara Rubra (1842). Além disso, cada episódio recebe o título de uma obra de Poe. Esta não é a primeira adaptação de um trabalho do autor, mas o maior diferencial da minissérie está na forma como os textos são trabalhados, já que traz elementos da atualidade para o ambiente “macabro” do escritor.

Essa é uma característica já presente nas produções de Mike Flanagan. Em A Maldição da Mansão Bly (2020), o diretor trouxe uma história inspirada na obra de Henry James, A Outra Volta do Parafuso (1989); da mesma forma A Maldição da Residência Hill (2018) inspirou-se em A Assombração da Casa da Colina (1959), de Shirley Jackson. Ambas trazem as tramas clássicas para tempos mais modernos, misturando com elementos atuais em sua composição.

Imagem: Divulgação

2. Estética

Produções de terror e mistério geralmente tem uma estética bem única, utilizando-se de uma paleta de cores mais escura, muitos closes, além de enquadramentos que dão sensação de vazio, solidão e angústia. 

Flanagan, ao produzir uma série de obras para a Netflix, montou um universo bem coeso esteticamente, criando assim a sua identidade. Em A Queda da Casa de Usher não é diferente, entretanto a minissérie apresenta um visual muito particular e coerente com a proposta.

Cada personagem da família tem uma construção visual interessante que casa com a personalidade deles. A figurinista Terry Anderson, responsável também pelo figurino da minissérie Lovecraft Country (2021), conseguiu criar um estilo coerente, abusando de texturas e modelagem.

Imagem: Divulgação

3. Paralelos com a vida real

A Queda da Casa de Usher se destaca principalmente por saber como adaptar uma obra do século 19 de forma que respeita sua ideia principal, mas não é literal. Isso acontece porque a minissérie traz a crise dos opióides nos Estados Unidos de uma forma repaginada

Na trama, a família Usher é dona de uma indústria farmacêutica que prosperou vendendo a cura através de um analgésico poderosíssimo chamado Ligodone que causa dependência e morte, por isso eles foram parar nos tribunais.

O enredo faz alusão ao caso da família Sackler, dona da Purdue Pharma, responsável pela produção e comercialização de OxyContin, um remédio opióide que supostamente curava as dores mais fortes, mas que causava dependência, gerando, assim, a uma série de processos contra a empresa No Livro O Império da Dor (2021), o jornalista Patrick Radden Keefe aponta os opióides como a principal causa de morte acidental nos Estados Unidos.

Imagem: Divulgação

4. Terror leve e elegante

Para quem curte terror e não gosta de levar sustos direto ou mesmo é um pouco mais sensível aos enredos, mas não quer deixar de assistir, A Queda da Casa de Usher é a minissérie perfeita. São poucos os jumpscares, focando mais no subtexto, em criar um clima de tensão e medo aos poucos.

As metáforas com a morte tão presentes nos textos de Poe são utilizadas com maestria, nada é extremamente literal e são várias camadas em cada acontecimento, pondo o espectador para pensar e permitindo que seja assistido mais de uma vez.

Imagem: Divulgação

5. A volta por cima de Flanagan

A última série de Mike Flanagan para a Netflix foi um grande fiasco. O Clube da Meia-Noite (2022) prometeu um terror com muitos sustos e entregou um enredo cheio de adolescentes chatos, com jumpscares muito mal feitos e de péssimo gosto. Mesmo os fãs mais radicais do diretor não gostaram da produção. 

A Queda da Casa de Usher é a última produção de Flanagan para a Netflix, já que ele assinou com o Prime Video. O diretor conseguiu fechar com chave de ouro sua parceria com o streaming, entregando uma minissérie digna dos seus primeiros trabalhos, como o grande fenômeno A Maldição da Residência Hill.

Imagem: Divulgação