Veredito de A Hipótese do Amor

21/07/2022 - POSTADO POR EM HQs/Livros
Post thumbnail

A Hipótese do Amor foi escrito pela neurocientista italiana Ali Hazelwood, e é ganhador de alguns prêmios, além de ficar em segundo lugar no Goodreads Choice Awards

Publicado nos Estados Unidos em 2021 e no Brasil apenas este ano pela editora Arqueiro, o livro se tornou um queridinho no Tik Tok, talvez por ter como inspiração para seus protagonistas os personagens Kylo Ren e Rey, da saga Star Wars.

Curiosos com essa referência, nós do Roteiro Nerd viemos trazer para vocês o veredito da obra.

Calças pegando fogo

Olive Smith é uma doutoranda em Biologia de Stanford com alguns problemas: ela precisa que sua bolsa lhe pague mais, precisa tomar cuidado com seu visto, e ainda precisa arrumar dinheiro para a análise de dados de sua pesquisa em câncer de pâncreas. Mas isso nem chega perto do maior de todos, que é a mentira que inventou para a sua melhor amiga, Ahn.

Após perceber que seu ex e a melhor amiga eram basicamente almas gêmeas, Olive decide tirar o time de campo, mas Ahn precisa de um incentivo maior para que ela e Jeremy possam acontecer. Por isso, a protagonista inventa que estaria em um encontro na sexta à noite, quando na verdade, estaria em seu laboratório fazendo pesquisa. 

Ela só não esperava que a amiga aparecesse no lugar, e por obra do destino, Adam Carlsen, o professor mais odiado do departamento estava lá para lhe ajudar, resultando em um experimento bem inesperado.

“- Você… Você acabou de me beijar?”

A Hipótese do Amor, pág. 17

Química da narrativa

Um livro bem fácil e simples de embarcar, A Hipótese do Amor vem para aquecer aos fãs de várias áreas que só gostariam de uma leitura bem água com açúcar para deixar seus cotidianos mais leves. Leitores de romance, fãs de Star Wars, e cientistas das biológicas vão adorar adentrar no mundo de Ali Hazelwood.

Depois que você consegue superar as familiaridades físicas, e até de personalidade em determinados pontos, dos protagonistas com o casal da franquia de George Lucas, o livro se torna muito divertido com seus diálogos rápidos e comédia óbvia, mas que não deixa de ser bem-vinda.

Os personagens como um todo possuem traços distintos e de forma alguma são apagados, mesmo que o interesse do livro recaia todo em seus protagonistas. Além disso, o plot também é bem estruturado e inteligente, são tantas referências à pesquisas e ciência dentro do campus da Universidade que você é sugado para dentro da realidade, que é bastante verídica.

A química da narrativa com seus personagens trás um sentimento tão gostoso, que aqueles que possuem tempo conseguem terminar a obra em não mais que um dia e ainda vão querer mais.

” – O que tem de errado com preto? – perguntou ele, franzindo a testa.
– Não é nem uma cor. Tecnicamente é a ausência de cor.”

A Hipótese do Amor, pág. 70

Tensão Biológica

Como um livro de romance voltado para jovens adultos, a autora soube fazer o que os fãs do gênero mais apreciam em obras do tipo: a tensão entre os protagonistas.

Como se trata de um tropo narrativo chamado de “namoro falso” nos romances, o leitor se vê observando diálogos e cenas que criam cada vez mais expectativas, e que, infelizmente, só nos é entregue a partir do decorrer da ação, já que possui uma narrativa em terceira pessoa.

E uma ótima surpresa nos é entregue justamente por conta dessa expectativa, mesmo que não de forma explícita: a sexualidade da protagonista. Fazendo parte da comunidade LGBTQIA+, a autora nos entrega uma personagem demissexual, que não traz sexo como prioridade até haver uma conexão emocional com alguém. Olive deixa isso explícito, no entanto, mesmo que não haja o termo descrito.

Há também outras representações tanto de sexualidade quanto de atuação de gênero que o livro busca trazer, mesmo com fraca referência visual e de aplicação no contexto. Não chega a faltar sentido na narrativa, mas que poderiam ser melhor empregadas.

“- Você disse para fazer algo que eu estivesse a fim. – Ele respirava, quente sobre a pele dela. – Estou fazendo.”

A Hipótese do Amor, pág. 253

Veredito

Você que é fã de romance, e precisa sair da ressaca literária, tem um prato cheio com A Hipótese do Amor. Mesmo que haja inúmeros clichês dentro da história, a autora conseguiu deixá-los muito bem trabalhados e com sentido.

Os personagens são muito bem estruturados, assim como sua narrativa, e em momento algum há pontas soltas a serem julgadas, o que trás uma aquecida no coração. Mesmo que você possa acabar querendo mais dos protagonistas.

Pontos positivos

  • Protagonistas e personagens bem feitos
  • Narrativa gostosa e estruturada
  • Representatividade
  • Divertido

Pontos negativos

  • Fraca referência visual
  • Fraca atuação de gênero

NOTA: 9