Veredito de Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo

23/06/2022 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

38 dias de filmagens. Foi tudo o que a equipe de Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo precisou para gravar um dos melhores filmes de ação/drama/comédia dos últimos anos. 

Maior sucesso de bilheteria da produtora A24, o longa dos Daniels (Kwan e Schneidert) leva a popular temática do multiverso para outro nível. Confira o veredito a seguir.

Aura distinta

Evelyn (Michelle Yeoh) é uma chinesa dona de uma lavanderia com problemas fiscais e no meio de uma crise familiar, tanto em seu casamento com Waymond (Ke Huy Quan) quanto em sua relação com a filha Joy (Stephanie Hsu). 

Até o momento (ainda no primeiro ato) em que o casal se dirige à uma reunião com a fiscal da receita interpretada por Jamie Lee Curtis, o filme parece bem normal. 

Porém, a partir do contato mais direto de um Waymond de outro universo com sua esposa, a obra assume um ritmo absurdo de ação em meio à uma enxurrada de informações sobre as realidades paralelas e o potencial da protagonista diante da vilã interdimensional Jobu Tupaki.

Imagem: Divulgação

Piscou, perdeu

O diferencial da produção é explorar as possibilidades do multiverso de uma forma que ainda não havia sido feita no cinema com tanta euforia

A cada pulo entre as dimensões, há novos e estimulantes estilos temáticos e visuais que impulsionam Evelyn como a peça-chave, enquanto descobre e desbloqueia habilidades de suas outras personas. Tudo isso em curtíssimo tempo, sem nunca perdermos a noção espacial do que ocorre em tela e nem o fio da história. 

“Nosso truque é: aconteceu tão rápido que você não pode processá-lo. Acho que nossos filmes são sobre superar a lógica, o processamento e o pensamento crítico e apenas ser algo do tipo ‘eu quero te dar algo que está além disso'”, explica o diretor Daniel Kwan em entrevista à Vanity Fair.

Imagem: Divulgação

Importância do improviso

Saber trabalhar bem com pouco é uma capacidade que poucos possuem. Os Daniels a dominam com maestria. Em seu 1° longa de maior orçamento ($25 milhões de dólares), eles ainda insistiram em realizar cenas mais complexas com o máximo de efeitos práticos possível.

No fim das contas, apenas cinco pessoas ficaram encarregadas dos efeitos visuais na pós-produção. O fato de ter uma atriz com baita experiência em artes marciais como a Yeoh também eleva o nível da ação ao patamar de um John Wick (2014 – ).

Tudo isso contribui para cenas menos cortadas, mais fluidas e, portanto, superiores às obras de grandes estúdios que dependem de fundo verde para 80% dos elementos em tela.

Imagem: Divulgação

Veredito 

Há quem diga que o ponto central do filme é superficial, que usa de artifícios bestas para enrolar uma trama voltada à mensagem “aceite você mesmo”. Eu não concordo.

O clichê da “lição de moral” de auto aceitação por si só não é ruim. Como já falei em outros textos: o que importa é a execução; como isso é transportado para a telona. 

E o modo como Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo aborda os conflitos de relacionamento amoroso e familiar é muito inventivo. A catarse da batalha final, quebrando expectativas quanto às sequências de luta ao transformá-las em humor e carinho durante um turbilhão de cores, é fantástico. 

As referências a Matrix (1999), Wong Kar-wai, Kill Bill (2001), Wire fu, Paprika (2006) etc, mergulham o espectador em uma experiência cinematográfica eletrizante, sempre com um toque que parece aleatório, mas que encaixa perfeitamente com a proposta das cenas.

“Eu sinto que as coisas bobas são o ponto do filme. O filme inteiro é um manifesto para o estranho, o engraçado, o insignificante, as coisas que não se levam muito a sério. Acho que as pessoas que assistem ao nosso filme que não entendem por que estamos colocando a cena da briga do plug anal, ou os dedos do cachorro-quente, ou a conversa das pedras, podem não perceber que é esse o ponto. Esses são os momentos estranhos que tornam a vida tão especial e tornam o peso insuportável da consciência um pouco mais suportável”, comentou Kwan, em entrevista à SYFY Wire.

É sempre revigorante assistir algo tão divertido tematicamente, rico de ideias visualmente e sensível dramaticamente. Um manifesto de amor ao cinema oriental.

Pontos positivos

  • Estética
  • Cenas de luta bem realizadas
  • Trama inventiva

Pontos negativos

  • Não tem

NOTA: 10