Veredito de O Predador: A Caçada

12/08/2022 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

A franquia do Predador está de volta com um prequel dos outros quatro filmes, ambientado em uma época bem diferente dos outros. O Predador: A Caçada foi produzido pela 20th Century Studios e é distribuído no Brasil pela plataforma Star+. Confira o que achamos do lançamento.

Prezando pelo simples

Naru (Amber Midthunder) é uma jovem comanche (um dos povos originários dos EUA) no começo do século XVIII em busca de se provar como caçadora para sua aldeia e, principalmente, para seu irmão Taabe (Dakota Beavers). 

Ao observar sinais de um animal desconhecido e perigoso na mata, a garota e seu dingo (espécie de cachorro) saem sozinhos à procura da ameaça para demonstrar sua força ao povo que a julga apenas como uma curandeira

O roteiro de Patrick Aison – seu 1º para um longa, inclusive – é de uma proposta simples comparada às histórias dos filmes passados da franquia. Porém, a execução do diretor Dan Trachtenberg (Rua Cloverfield, 10) aliado ao fotógrafo Jeff Cutter é o que torna A Caçada um bom exemplo no gênero de ação.

A noção espacial em cenas como o confronto com o urso e a fuga nos campos abertos provam que a equipe se preocupa com o modo como a ação se molda àquele ambiente, e não o inverso. 

A organização da escala é mais importante do que a sequência em si, ajudando na imersão do público ao ambiente e destacando melhor as lutas na floresta.

Imagem de divulgação de O Predador: A Caçada

Sacrifícios necessários

O longa mostra pouco da vida dos comanche como aldeia e não explora a relação irmã-irmão tão bem. Curiosidades que poderiam valer o tempo, mas que não foram priorizadas para enxugar o filme e chegar logo ao que interessa: o duelo humano x Predador. Se a proposta é ação, não há porque enrolar. Justo.

Há quem prefira os combates automatizados com armas enormes e muitas explosões. Particularmente, observar um Predador mais primitivo contra oponentes que precisam usar mais a cabeça do que projéteis rende uma diversão superior. 

Imagem de divulgação de O Predador: A Caçada

Veredito

O Predador: A Caçada é uma grata surpresa de uma franquia em baixa, pintando talvez como o melhor dentre os cinco. Não há necessidade de assistir aos outros antes para compreender o que ocorre aqui.

Trachtenberg tem consciência de que um ritmo frenético em filme de ação nada importa se o que é montado não mostra tudo com clareza e coerência espacial. 

Apenas em uma cena no início é que há dificuldade em enxergar o que ocorre no escuro. Porém, depois, até em um momento cheio de névoa, foi possível curtir a sequência destrutiva do Predador com calma.

Uma pena que não tenha ido aos cinemas. Ver toda a escala dos campos e da floresta na telona seria incrível e ainda bateria de frente com outras obras de ação que tentam ser mais do que de fato conseguem (Trem-Bala, estou falando de você).

Pontos negativos

  • Algumas cenas muito escuras

Pontos positivos

  • Ótima noção de escala na ação
  • Criatividade espacial nos confrontos

NOTA: 8