Veredito de Lightyear

14/06/2022 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

Uma das franquias mais queridas da Pixar acaba de ganhar mais um filme. Lightyear (2022) é um longa derivado da saga Toy Story (1995 – 2019) onde o protagonista é o patrulheiro estelar Buzz, o melhor amigo do cowboy Woody. Conferimos a animação e contamos aqui tudo o que achamos.

Enredo

No universo fictício de Toy Story, um filme inspirou a criação do boneco do patrulheiro estelar Buzz. Lightyear é esse filme. Na narrativa, ele é um piloto de testes de naves espaciais que acaba ficando preso em um planeta inóspito e distante do seu. Nesse contexto, ele precisa liderar toda a sua tripulação de volta para casa. A missão é bem complicada e acaba levando muitos anos – o que o deixa bastante frustrado, porém determinado a concluir o plano.

O roteiro do filme é bem simples. O primeiro ato apresenta os personagens e a problemática. O segundo desenvolve a ideia central e o terceiro conclui a trama. Apesar de não ter elementos muito complexos, a narrativa foi feita de forma que consegue ser elegante e concisa, inovando com um plot twist e não precisando recorrer a todo momento à franquia original para conquistar seu público. Na verdade, há pouquíssimas referências à Toy Story, com a saga funcionando apenas como um easter egg.

A ideia de trazer uma personagem gay é sensacional, principalmente porque ela é o elemento que traz maior emoção para o filme. Alisha é a melhor amiga de Buzz; ela tem uma esposa e uma neta, Izzy, que acaba se tornando também muito próxima do piloto. Além disso, outro elemento que rouba a cena é o gatinho robô Sox. Cheio de tiradas inteligentes, ele acaba sendo um dos alívios cômicos que conquista o público também pela sua fofura.

Imagem: Divulgação

Um Novo Capítulo

Quando Lightyear foi anunciado, a primeira preocupação era como ia ser o filme e se ele seria uma continuação de uma franquia que já havia sido finalizada. Pois bem, eis que o roteiro de Pete Docter e Angus MacLane conseguiu fazer com que o longa funcione sozinho, sem exigir que o espectador conheça bem Toy Story. Aliás, arrisco dizer que não precisa saber de nada para assistir.

Outro aspecto muito interessante é que mais uma vez a Pixar mostrou que não faz animação apenas para criança, mas também para os adultos. Provavelmente, os pais que assistiram Toy Story no cinema hoje é quem estão levando seus filhos ao cinema para assistir Lightyear. Por isso, um acerto do filme é não repetir as mesmas coisas da franquia, o que não torna o enredo cansativo.

Por fim, algo que chamou bastante atenção foi como Buzz lida com a passagem do tempo, já que para ele passaram apenas horas de sua chegada ao planeta, mas para o restante dos personagens se passaram anos. Isso pode até ser uma metáfora sobre como nós, adultos, temos a impressão que tudo passou muito rápido e o choque que temos com a geração atual e seus costumes. 

Imagem: Divulgação

Veredito

Lightyear é com certeza uma das melhores animações do ano. Sua simplicidade é capaz de conquistar até os corações mais duros. O plot é bem interessante e deixa o espectador bastante intrigado, fazendo com que ele torça até o último segundo pelo protagonista, não porque já o conhecemos, mas pela história apresentada.

Quanto aos aspectos visuais não há muito o que se falar. A animação continua com uma alta qualidade e com o selo Pixar de excelência. Apesar disso, a paleta de cores é bem mais inovadora quando comparada com Toy Story, utilizando aqui tons fortes, como azul escuro, amarelos mais quentes e alguns cinzas.

A trilha sonora infelizmente deixou a desejar. No trailer, temos a música Starman de David Bowie, que não é aproveitada no filme – uma pena, já que seria uma combinação perfeita. Falta também uma música original.

Por fim (e não menos importante), os personagens da animação foram muito bem desenvolvidos e realmente fazem sentido para a trama. É realmente interessante acompanhar a jornada de cada um deles.

Pontos Positivos:

  • Roteiro interessante
  • Animação muito bem feita
  • Personagens carismáticos 

Ponto Negativo:

  • Falta de trilha sonora

Nota: 9,5