Veredito de Jurassic World: Domínio

01/06/2022 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

Estreia no dia 2 de junho o último filme da franquia Jurassic World (2015-2022). Dirigido por Colin Trevorrow, Jurassic World: Domínio tenta misturar ação e nostalgia. Conferimos o longa e vamos contar nossas impressões.

Equilíbrio

Depois da ilha de Nublar ter sido destruída, os dinossauros se espalharam pelo mundo, vivendo lado a lado com os humanos. Por conta disso, o ecossistema está correndo perigo, já que não há equilíbrio entre nós e os répteis gigantes. 

Enquanto isso, Claire (Bryce Dallas Howard) e Owen (Chris Pratt) estão protegendo Maisie (Isabella Sermon), neta do antigo dono do Parque dos Dinossauros

Imagem: Divulgação

Ideias boas, execução nem tanto

O roteiro de Jurassic World: Domínio tenta ser rebuscado, misturando fantasia e realidade. Ele tenta colocar como principal inimigo a ganância e a busca por poder em detrimento da existência humana. Ao mostrar a poderosa empresa BioSyn e um CEO que tenta brincar de Deus com a única motivação de enriquecer, podemos traçar um paralelo entre com a crítica atual ao seleto grupo de bilionários do mundo real.

Infelizmente é aí que a narrativa acaba escorregando. A construção do vilão é feita de forma pobre e acaba deixando ele um tanto deslocado. Além disso, não é possível sentir nenhuma emoção em relação a ele, o que o faz passar despercebido. É uma pena porque a ideia é muito boa e interessante, mas a execução acabou sendo desastrosa. 

Outro problema do filme está nas soluções mágicas e preguiçosas que o roteiro encontra para os conflitos. Até o desafio mais árduo recebe um desfecho fácil, o que acaba parecendo que na verdade nem valia a pena se preocupar com o que está acontecendo.

Imagem: Divulgação

Nostalgia

Fica claro que o objetivo do filme é realmente pôr um fim na franquia. Para isso ele traz os três personagens clássicos e tenta, conseguindo em vários momentos, gerar uma sensação de nostalgia. Esse foi um dos pontos altos do longa, principalmente para não perder a essência do original, mas também não ser uma cópia barata.

O personagem de Jeff Goldblum se destaca bastante, principalmente por ser o responsável por reflexões importantes, mas também por ter a função de alívio cômico em determinados momentos. Já Laura Dern revive a icônica Ellie Sattler, dessa vez mais madura e preocupada com o caos que o mundo está vivendo. Enquanto isso, o clima entre ela e Alan Grant (Sam Neill) parece aumentar e funciona bem para os fãs mais antigos da franquia.

É claro que nenhum filme sobrevive somente de nostalgia, e por saber desse motivo, o roteiro optou por trazer esse ingrediente de forma bem inteligente, sem tentar forçar nada, nem apelar de forma descarada para a emoção dos fãs mais saudosos.

Imagem: Divulgação

Veredito

Jurassic World: Domínio é definitivamente o melhor filme da trilogia atual. Apesar dos problemas de roteiro, como soluções muito simplórias para os problemas da narrativa, o longa consegue consegue se reconciliar e se despedir do público de forma até interessante, funcionando muito bem para entreter.

Infelizmente, o filme perde muitos pontos ao não conseguir desenvolver o vilão melhor. Parece que ele apenas é uma pessoa ruim, nada parece justificar bem sua ganância. Além disso, o desfecho dele é bem preguiçoso e previsível. Parece que o antagonista é feito apenas para assustar crianças. 

Quanto aos efeitos visuais, o filme não consegue se destacar. Algumas cenas são mal feitas e deixam bem evidente o uso de computação gráfica.

Pontos positivos

  • Bom plot
  • Bom encerramento da franquia
  • Nostalgia

Pontos negativos

  • Desenvolvimento de personagens
  • Soluções mágicas
  • Efeitos visuais

NOTA: 6,5