Conheça os personagens do folclore de Cidade Invisível

16/02/2021 - POSTADO POR EM Séries

A série Cidade Invisível chegou há pouco na Netflix e já se tornou um sucesso. A história mostra lendas do folclore brasileiro vivendo nosso cotidiano e enfrentando ameaças. No entanto, algumas pessoas não conheciam todos os personagens. Por isso, fizemos uma lista para explicar quem é quem. Confira!

Veja também: O que esperar da segunda temporada de Cidade Invisível?

Não sei se você sabe, mas a Netflix tem utilizado a cultura popular de outros países em suas produções. Equinox, por exemplo, é uma série que mostra alguns aspectos do folclore dinamarquês. E já estava na hora do Brasil ganhar a sua série.

Cidade Invisível mostra personagens como a Cuca e o Saci vivendo nos dias de hoje, em uma cidade próxima do Rio de Janeiro. A polícia ambiental investiga o aparecimento de um boto cor-de-rosa em uma praia do Rio e aí coisas estranhas começam a acontecer. 

Como divertimento, a série é excelente. No entanto, algumas pessoas criticaram a Netflix e a produção por ter mudado a etnia dos personagens e não ter colocado a história se passando no Norte do país. Você pode ler sobre isso aqui

Nosso objetivo com essa matéria é apresentar os personagens do folclore que aparecem ao longo da narrativa, assim você ficará um pouco mais por dentro e poderá curtir a produção. Ou também para quem já assistiu a série e ficou na dúvida sobre qual lenda era o que.

Origem dos personagens

Como tudo na nossa cultura, a origem dos personagens do folclore aglutinou muitos mitos da Europa e África. Olha só: 

Tutu Marambá

Bicho Papão e Boi da Cara Preta são irmãos do Tutu Marambá, um ser que assume diversas formas pelo Brasil. No Norte do nosso país, ele é conhecido por não ter uma forma específica, ser uma sombra ou o pesadelo em pessoa, assim como seus irmãos. 

A forma que vimos em Cidade Invisível é como o “monstro” conhecido na Bahia: um porco-do-mato. Segundo o folclorista Câmara Cascudo, o Tutu Marambá persegue crianças danadas (levadas) e também aquelas que dão trabalho para dormir. Essa história é uma mistura de outros mitos europeus e africanos. 

Imagem: Divulgação

Cuca

No imaginário de nós, jovens, a Cuca é um jacaré. Isso foi popularizado por Monteiro Lobato e pela série do Sítio do Picapau Amarelo. No entanto, a sua história veio da Europa, mais precisamente, de Portugal. Lá, é conhecida como Coca, e assume a forma de cobra, jacaré, dragão e monstro. Ela é o dragão que luta com São Jorge e participa de várias histórias do imaginário popular. 

Quando veio para o Brasil, a Cuca assumiu o papel de bruxa. Vive na floresta e pode se transformar em outros seres. Em Cidade Invisível, ela vira uma borboleta, mas também poderia ser um dragão ou jacaré, já que tem poderes mágicos. 

Imagem: Divulgação

Saci

Talvez um dos mais conhecidos do Brasil, a origem do Saci vem do Sul do país. Na Região Norte, ele ficou conhecido como um menino negro que perdeu uma perna lutando capoeira. Herdou da cultura africana o pito, uma espécie de cachimbo e, da mitologia europeia, herdou o píleo, um gorrinho vermelho usado pelo trasgo.

Imagem: Divulgação

Boto cor-de-rosa 

Uma das histórias mais tristes do nosso folclore, a lenda do Boto foi usada por muitos anos para justificar estupros, abandonos e filhos sem pai. Isso porque, principalmente nas festas juninas, o Boto Rosa virava homem, se vestia de branco e encantava moças nas festas. 

A mulher escolhida ia com ele até a beira do rio e ficava grávida. O Boto ia embora e nunca mais era visto, então a criança nascia sem pai

Imagem: Divulgação

Curupira

Pele vermelha, cabelo de fogo, dentes verdes e pés virados para trás. Essas são as características mais comuns do Curupira. Segundo a lenda, ele é o protetor das matas e se irrita com visitantes. 

É comum entrar nas florestas pedindo permissão à entidade, deixando fumo e cachaça para ele, como um presente. Os pés virados para trás servem para enganar os caçadores, que acabam indo para o caminho contrário. 

Imagem: Divulgação

Corpo seco 

Esse teve a sua história contada de uma maneira excelente na série. O Corpo Seco é uma entidade que foi uma pessoa tão ruim, cometeu tantos pecados, que, ao morrer, nem o céu nem o inferno o quiseram. A terra também não o aceitou, e ele foi “expulso” de sua cova. Essa lenda tem origem ibérica e brasileira. 

Imagem: Divulgação

Iara

A lenda da Iara foi explicada de uma forma diferente na série, mas uma das versões mais conhecidas é que ela era filha de um pajé e era uma ótima guerreira. Por isso, os irmão a invejavam e resolveram assassiná-la, mas ela lutou e matou todos. 

Com medo do que o pai faria, Iara fugiu, mas foi encontrada. Seu pai decidiu jogá-la no encontro entre os rios Negro e Solimões. A moça foi salva pelos peixes e se transformou numa entidade em uma noite de lua cheia. Seu nome tem origem no tupi: ig significa “água”, e iara, significa “senhor”. Iara é a senhora das águas. 

Imagem: Divulgação

Muitos outros personagens, como a Mula-sem-cabeça, a Caipora, o Negrinho do Pastoreio, o Boitatá e o Lobisomem não foram citados na série. Será que podemos esperar por eles nas próximas temporadas?