Veredito de Garota em Chamas

31/07/2021 - POSTADO POR EM HQs/Livros
Post thumbnail

Um dos grandes nomes do mistério, CJ. Tudor chega com um novo thriller, Garota em Chamas, pelas mãos da editora Intrínseca no Brasil. O enredo do livro mistura eventos sobrenaturais e bizarros com acontecimentos misteriosos e conspirações. Conferimos a obra e vamos contar nossas impressões.

Vila assombrada

Jack Brooks é uma vigária que se muda para Chapel Croft, um pequeno vilarejo,  junto de sua filha adolescente de 14 anos, Flo. Ao chegar no local, as duas são recebidas de forma bastante ríspida com um “kit de exorcismo” e um bilhete avisando que lá não havia mistério nenhum para ser descoberto.   

Apesar do que o bilhete afirma, o vilarejo tem muitos segredos. Pelo menos cinco séculos antes da chegada de Jack, vários mártires protestantes foram queimados; além disso, 30 anos atrás duas meninas sumiram sem deixar rastro. Para completar os eventos bizarros que cercam a região, o reverendo anterior acabou se enforcando, o que levou à mudança da protagonista e sua filha para a cidade. 

Como se tudo isso não bastasse, Flo começa a ter visões estranhas com garotas queimando. Toda essa situação acaba instigando e aumentando a desconfiança de Jack de que o local não é tão pacato quanto parece, e ela passa a investigar tudo. 

Como se o contexto já não fosse nebuloso o suficiente, Flo e Jack não tem uma relação tão maravilhosa. A garota é um pouco fechada e acaba guardando muita coisa e não compartilhando com a mãe, o que torna tudo mais complicado.

“Vocês não vão ser punidas. Seus familiares estão preocupados. Só querem saber que vocês estão seguras e dizer que podem sempre voltar para casa.”

Garota em Chamas, pág. 11.

Quem é CJ. Tudor?

CJ. Tudor é uma escritora britânica que estreou na literatura com o romance de mistério O Homem de Giz (2018). Conhecida por saber muito bem como construir uma atmosfera de suspense com uma pitada de elementos sobrenaturais, a autora já lançou quatro livros, todos publicados no Brasil pela editora Intrínseca

Tudor é uma grande fã da obra de Stephen King, renomado autor de mistério e suspense. Ela tentou durante cerca de dez anos publicar seu primeiro livro, que acabou sendo rejeitado diversas vezes por editoras na Inglaterra.

A cada livro lançado, é perceptível o quanto a autora vem crescendo e como suas narrativas vão se tornando mais amarradas e sombrias, sem se tornarem chatas. Em Garota em Chamas, ela consegue ir destrinchando o mistério de forma gradual e deixando o leitor cada vez mais interessado no enredo.

“O porão não era tão ruim. Fora a escuridão. E os ratos.”

Garota em Chamas, pág. 141.

Veredito 

Esse é o quarto livro de CJ. e de longe, me arrisco a dizer, é o melhor até agora. Não só pelo crescimento da escrita, mas também por tratar de assuntos como saúde mental e violência contra mulheres, discussões tão atuais, sem perder o foco na história ou mesmo querer inventar a roda. 

Além disso, não é fácil colocar religião e mistério em um enredo de suspense sem parecer piegas ou mesmo clichê. Isso talvez seja uma das coisas que pode chamar mais atenção, mesmo que o leitor nem saiba como explicar. A cada descoberta e virada de página queremos saber mais sobre os acontecimentos e o porquê deles. 

O protagonismo de Jack Brooks é outro acerto positivo da narrativa. A personagem é forte e determinada, não se deixando intimidar. Sua história de vida, sendo uma vigária e, além disso, mãe solteira é quase inimaginável, fato esse que com toda certeza só poderia ter saído da mente brilhante da autora.

O projeto gráfico do livro está simplesmente impecável. A diagramação facilita a leitura, a capa conversa bastante com enredo e as lombadas em vermelho são um charme a mais da edição em capa dura. Esse é com certeza um daqueles livros que vale a pena comprar a versão física e exibir na estante.

O único ponto que pode deixar alguns fãs desapontados é o fato dele não deixar somente para o final a resolução do mistério. Já nas últimas 70 páginas mais ou menos, o leitor começa a ter pistas de como será o final.

Pontos positivos

  • Leitura fluída
  • Excelente trama
  • Personagens interessantes
  • Narrativa que prende o leitor

Pontos negativos

  • Talvez alguns fãs de mistério não goste de ter “spoilers” de como será o final

NOTA: 9