You: Por trás da mente de um stalker

25/01/2019 - POSTADO POR EM Séries
Post thumbnail

Um dos mais recentes sucessos da Netflix está dando o que falar por apresentar uma trama densa sobre a história de um controlador obsessivo. Com nomes já conhecidos no mundo das séries, como Penn Badgley (Gossip Girl) e Shay Mitchell (Pretty Little Liars), a produção já garantiu uma segunda temporada (ainda sem previsão de estreia) e promete te prender do início ao fim.

Eu vejo você

A trama de “You” é baseada no livro homônimo da escritora Caroline Kepnes, lançado em 2014. Sua continuação, Hidden Bodies, foi lançada dois anos depois, mas ainda não tem uma versão brasileira. Na série acompanhamos Joe Goldberg (Penn Badgley), o dono de uma livraria, que se encanta à primeira vista por uma de suas clientes, a aspirante a escritora Guinevere Beck (Elizabeth Lail).

Joe logo inicia uma perseguição profunda na vida da garota, vasculhando todas as suas redes sociais e seguindo ela por diversos lugares a fim de “conhecê-la melhor”. Em determinado momento eles acabam se encontrando e o stalker a chama para sair. À primeira vista eles formam o casal ideal, mas conforme os episódios avançam vemos o quão controladora e tóxica a relação vai se tornando, o que nos deixa cada vez mais apreensivos para descobrir seu final.

Intrigas e perseguições

Uma característica bem evidente na construção da série é a maneira como tenta mostrar o lado mais humano do protagonista, em contrapartida de suas ações brutais e invasivas. Um exemplo bem claro é o seu vizinho Paco (Luca Padovan), uma criança de aproximadamente 11 anos que sofre com a relação abusiva entre sua mãe e o namorado. Joe está sempre aparecendo em cenas em que tenta ajudar o garoto, o oferecendo refúgio, conselhos e alguns livros emprestados.

Esse tipo construção faz com que em diversos momentos o espectador seja compelido a gostar do stalker e até buscar justificativa para suas ações. Não se sinta culpado se isso acontecer com você, é algo proposital da narrativa. O fato de outros personagens serem pouco carismáticos também contribuem para isso, Beck em vários momentos toma decisões precipitadas e infantis e suas amigas agem de maneira fútil, além de parecem pouco se importar com ela.

Mente instável

Outro fator positivo da produção além da narrativa é a maneira que se utiliza de jogos de câmera para acrescentar nuances no protagonista. Em diversas cenas temos o que seria a visão de Joe sobre Beck e outros personagens, nesses momentos as extremidades da tela ficam borradas, como se quem estivesse observando não conseguisse ter uma visão clara da realidade, mas uma versão distorcida desta.

Esse é um ponto que fica muito claro durante uma briga do casal. Enquanto Beck está falando calmamente e é filmada por uma câmera parada, Joe não consegue focar seu olhar em nada e a filmagem balança de maneira frenética. Em geral, toda a série está muito bem produzida, com a exceção de certos momentos com resoluções ou acontecimentos previsíveis, há um empobrecimento da narrativa neles, embora poucos.

Veredito

“You” com certeza faz valer todo o falatório que se criou sobre a série. A história é bastante empolgante, entretanto perde o fôlego em alguns momentos, o que poderia ser resolvido com menos episódios, ou que estes tivessem um tempo de duração mais curto. Mas isso não prejudica a experiência do espectador, que se vê apegado a um controlador inconsequente que não tem problemas em machucar pessoas ou ignorar suas privacidades para conseguir o que quer.

A produção está de parabéns ao abordar da maneira certa as problemáticas de um relacionamento abusivo, apesar de nos inclinar a ter apego por Joe, é deixado bem claro o quão absurdo e errado é o seu comportamento. As atuações estão excelentes e encontram o seu clímax no episódio final, que é certamente um dos mais angustiantes de toda a narrativa. Poderia facilmente ser uma história fechada, não fosse pelo pequeno gancho na última cena, o que certamente irá deixar o espectador louco para saber mais.