Veredito de “O Caso Richard Jewell”

25/12/2019 - POSTADO POR EM Filmes

Clint Eastwood trouxe aos cinemas a história real de Richard Jewell, que, nos anos 1990, foi de herói a vilão dos Estados Unidos em poucos dias. Assistimos ao filme e demos a nossa opinião aqui. 

As pessoas sempre buscam um herói, seja ele quem for. Quando o encontram, elas têm um sentimento semelhante ao de encontrar água no deserto. Essa busca se assemelha à procura pelo responsável por um problema. É mais fácil enfrentar um desastre, por exemplo, quando se pode culpar o governo pela falta de estrutura. É mais fácil aceitar a morte de um parente quando o assassino dele é preso.

História

Baseado em livros que contam a história de Jewell, Eastwood mostra como a imprensa pode elevar e derrocar um personagem. Nas olimpíadas de Atlanta, em 1996, um terrorista detonou uma bomba durante um show – minutos depois do segurança Richard encontrá-la. Por causa do alerta, muitas pessoas foram salvas. Apesar disso, mortes foram listadas e muitos feridos deixaram o local. 

O acontecido logo chegou aos ouvidos da mídia, que rapidamente encontrou Jewell e construiu seu perfil como herói das olimpíadas. O profissional, que sonhava em ser policial novamente, logo se encheu de felicidade. Morando sozinho com a mãe, seu maior desejo era retomar a carreira na polícia (ele teve seu distintivo recolhido por motivos não citados) e “salvar o dia” era o mais próximo disso que ele havia chegado em anos. 

Por outro lado, o FBI e alguns repórteres procuravam um culpado pelo ato terrorista. Um perfil citava que um ex-policial solteiro, que mora com a mãe, estava no momento exato do crime e tinha muitas informações sobre bombas. Robert Jewell batia exatamente com a descrição e, assim, foi incriminado pela mídia. O FBI chegou logo depois. 

Direção e personagens 

Vendido como o “melhor filme de Clint Eastwood em anos”, “Richard Jewell” não surpreende. Apresenta personagens comuns como a jornalista que faria tudo pelo furo, o chefe machão do FBI, o advogado falido e com a barba por fazer. Para quem é fã de “The Sinner”, o filme se passa por um episódio sem graça da série. 

Veredito

Para a repórter que vos fala, um grande filme de investigação precisa de um pouco de ação, drama, reviravoltas e surpresas. Richard Jewell tem pouco drama, quase nenhuma ação e peca nas surpresas. O desenrolar e final da história, a parte mais esperada, é mostrada em poucos minutos, e deixa a desejar depois de um desenvolvimento demorado. 

Nota: uma história real e longa pode, sim, ter um desenrolar bom e interessante no cinema. Lembram de “Ted Bundy: A Irresistível Face do Mal”, lançado este ano? 

Vamos ao veredito:

  • Direção: decente mas não me surpreende.
  • Roteiro: por se tratar de uma história real e baseada em algumas obras de biografia, é algo denso e difícil de se avaliar. 
  • Personagens: poderiam ser melhor trabalhados. Para onde a jornalista foi depois de sua descoberta? 

Nota: 6,5