Veredito de Shazam!

04/04/2019 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

O que você faria se conseguisse um superpoder? Apesar de já existirem diversos filmes de super-herói, poucos demonstram bem a resposta que uma criança daria como “Shazam!” (2019). O longa dirigido por dirigido por David F. Sandberg promete adaptar as histórias do herói para os cinemas, fugindo da fórmula trevosa deixada por Snyder. Se vale a pena ou não você confere logo abaixo.

Inocência da criança

Durante o filme acompanhamos a vida de Billy Batson (Asher Angel), um órfão de 14 anos que herda os poderes de um antigo mago chamado Shazam. Ao falar o nome do mago, o adolescente se transforma em um super-herói (Zachary Levi) capaz de correr tão rápido quanto Mercúrio, lançar raios como Zeus e com a força de Hércules.

Já no começo do longa, ao sermos apresentados ao Billy, temos um adolescente corajoso que tenta esconder os seus medos e traumas, estes criados por não ter conseguido encontrar a sua verdadeira mãe após diversos anos. Mesmo com diversas famílias desejando lhe dar um lar, a esperança de retornar para a sua verdadeira casa o faz fugir. Isso o fez se tornar um jovem cada vez mais fechado, ainda mais com a sua nova família adotiva. Porém ao ganhar as dádivas de Shazam, as suas inseguranças são tomadas pela a sua inocência, o permitindo agir como qualquer adolescente agiria ao adquirir poderes.

Ao lado do herói também temos as outras crianças, Mary Bromfield (Grace Fulton),  Eugene Choi (Ian Chen), Darla Dudley (Faithe Herman) e Pedro Peña (Jovan Armand), que apesar de terem ótimas interações acabam não chegando a terem um destaque maior. Exceto o personagem de Freddy (Jack Dylan Grazer), que ajuda Billy a descobrir os seus poderes e a aproveitar as portas que se abriram com a “puberdade” em uma sequência maravilhosa ao estilo “Quero ser Grande” (1988).

Foto: Divulgação

A inveja pelo poder

Apesar de todas as cenas cômicas do filme, o roteiro tenta refletir em seus personagens o desejo pelo reconhecimento. O vilão, Thaddeus Silvana (Mark Strong), possui esse desejo desde o início do filme, onde vemos ele apenas como uma criança que é rejeitada pelo pai e irmão, fazendo de tudo para chamar a atenção deles.

Nesse início também vemos pela primeira vez o mago Shazam e a sua missão de encontrar um sucessor que seja puro de coração. Após falhar em seu teste e ser considerado impuro pelo mago, Dr. Silvana passa a sua vida procurando uma forma de se vingar de Shazam, e abraçar completamente a escuridão que quase o dominou. Tudo isso para mostrar a todos, inclusive o pai e irmão, que ele é sim alguém poderoso e digno dos poderes que lhe foram negados.

Silvana é aquilo que Billy poderia ter se tornado se tivesse sucumbido aos seus pecados, ele foi alguém que virou refém de toda a mágoa e o orgulho que tinha dentro de si e acabou sendo facilmente manipulado pela inveja que tinha do herdeiro de Shazam. Ainda mais por se considerar mais experiente que o adolescente para controlar os poderes. Algo que é visível durante as batalhas entre o herói e o vilão, com cenas de ação simples sem uma coreografia complexa.

Foto: Divulgação

Veredito

Numa era com muitos filmes de heróis, “Shazam!” não trás nada de novo para o gênero, porém oferece uma sessão divertida ao estilo sessão da tarde. Zachary Levi está perfeito no papel do herói, sabendo manter a personalidade de Billy Batson mesmo com todos os seus poderes e a diferença entre a interação dele ou Asher com os outros personagens se mantém sútil, mantendo diálogos tão naturais, que quase acreditamos que estamos vendo a mesma pessoa.

Há alguns problemas nas cenas de ação, mais especificamente no ato final, onde temos uma batalha entre dois seres poderosos mas não há uma sensação boa de impacto. A coreografia das lutas também é simples, porém justificada pela inexperiência do herói. No final temos um filme que roubará gargalhadas de crianças e adultos.

Foto: Divulgação