Veredito de Olhos de Gato

26/06/2020 - POSTADO POR EM Animes / Mangás E Filmes

“Olhos de Gato” é um longa japonês que estreou essa semana exclusivamente na Netflix, após seu cancelamento nos cinemas japoneses em virtude a pandemia. O filme é produzido pelo estúdio Colorido, tendo a direção de Junichi Sato, responsável por “Sailor Moon”, além da roteirista Mari Okada, que assinou a composição de séries como “Vampire Knight” e o OVA de “Rurouni Kenshi: A Nova Saga de Kyoto”.

O gato também usa máscara

O filme gira em torno de Miyo Sasaki, uma garota aparentemente alegre e cheia de vida, que não se importa mesmo com o que os colegas falam dela, desde que tenha sua melhor amiga, Yori, ao seu lado, e o garoto por quem é apaixonada, Kento Hinode, prestando atenção nela. Mas por trás do sorriso, a garota sofre com o divórcio dos pais, e uma relação conturbada com a mãe.

Querendo fugir disso tudo, durante um festival, Miyo recebe de presente uma máscara de Gato que lhe dá a habilidade de se transformar em felina por algumas horas. Mas tem um porém, ela não pode durar uma noite nessa forma, senão está sujeita a perder seu rosto e vida como humana.

Aproveitando dessa nova forma, Miyo se torna Tarô, uma gatinha na qual Hinode, sua paixão, tem uma verdadeira afinidade. Assim, passa a cultivar horas junto do rapaz, sem perceber que também começa a perder a linha tênue entre o seu mundo e o que ela deseja.

Imagem: Divulgação

Trabalho técnico que impressiona

Todo o trabalho técnico é digno de nota. A animação é impecável e as cenas muito bem construídas, juntamente com cenários altamente desenvolvidos e habilmente desenhados. A trilha sonora também se encaixa perfeitamente dentro da proposta do filme. As duas músicas principais do longa ficaram com a dupla Yorushika, intituladas Usotsuki e Hana ni Borei.

E por fim, a dublagem dos personagens principais. Mirai Shida, que dubla Miyo, já havia trabalhado em “Vidas ao Vento”, do Studio Ghibli, como Kayo Horikoshi, enquanto Natsuki Hanae ficou responsável por dar voz ao jovem Hinode no filme, e mais recentemente ao protagonista de “Kimetsu no Yaiba” (Demon’s Slayer), Tanjiro Kamado.

Imagem: Divulgação

Se eu fosse um gato

O trailer dá a impressão de que Miyo tinha conseguido se transformar em gato para ficar próxima de Hinode, mas não é esse o fato. Ela na verdade CONTINUA se transformando para ficar com ele, e isso por si só já demonstra a fragilidade da garota.

O roteiro é muito bem construído apesar de pequenas falhas, como a exemplo dos relacionamentos que há entre todos os personagens. É tudo muito corrido em alguns momentos, mesmo que para um filme, e outros que o ritmo desacelera desnecessariamente.

Alguns personagens também não conseguem entregar o real motivo pelo qual nos foram apresentados, e nos deixam desconfortáveis, como é o caso do Gato Mercenário. Ele mais incomoda do que trás uma real ameaça. Porém, é fácil também admitir que outros personagens, mesmo que inseridos de forma importante tardiamente, acabam agradando bastante, como é o caso de Yori, a amiga da protagonista.

Imagem: Divulgação

Veredito

A história narra traços de personagens com problemas pessoais bastantes reais para crianças que estão entrando na adolescência. Não apenas com questões do coração, mas também com um maior entendimento dos problemas da família, tais como: dinheiro, divórcio, velhice e responsabilidades.

O filme é cheio de metáforas, porém a maior delas é sobre a ânsia que os jovens têm de crescer, para tomar as rédeas da vida, maa que não sabem como o fazer. Também sobre os erros que eles cometem, esquecendo que vão ter que conviver com as consequências dessas escolhas. Isso é deixado bem claro durante a visita feita à Ilha dos Gatos.

Pontos Positivos

  • Animação
  • Roteiro
  • Profundidade dos Personagens

Pontos Negativos

  • Ritmo

NOTA: 8,5