Veredito de Homem-Formiga e a Vespa (com spoilers)

08/07/2018 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

Após o sucesso estrondoso de “Vingadores: Guerra Infinita” (2018), “Homem-Formiga e a Vespa” chegou aos cinemas nesta quinta-feira, 05 de julho. Agora, a sequência de “Homem-Formiga” (2015) tem a missão de apresentar a nossa nova heroína, Vespa, e explorar ainda mais o universo quântico, além de fazer referências aos acontecimentos provocados por Thanos. Será que tudo funcionou? Assistimos ao filme e contamos nossas impressões aqui!

*Este texto contém spoilers sobre “Homem-Formiga e a Vespa” e outros filmes do Universo Cinematográfico Marvel (MCU)

Duas horas, muitas histórias

O longa já inicia mostrando o que seria o foco da história: Hank Pym (Michael Douglas) explica para sua filha, Hope Van Dyne (Evangeline Lilly), sobre como sua mãe, Janet Van Dyne (Michelle Pfeiffer), ficou presa no Reino Quântico, e como ele pensou na possibilidade de resgatar sua esposa após Scott Lang (Paul Rudd) escapar de lá em “Homem-Formiga” (2015).

Após esse flashback, vemos Scott nos últimos três dias de sua prisão domiciliar, ocasionada em “Capitão América: Guerra Civil” (2016). O ambiente é utilizado para desenvolver um pouco melhor a relação entre ele e sua filha Cassie (Abby Ryder Fortson). Tudo vai bem até Scott ter um sonho com Janet, a Vespa “Original”, e devido uma possível ligação com ela, Lang é recrutado mais uma vez por Hank para uma missão de resgate.

É aí que vamos embarcar numa viagem ao Reino Quântico, onde conhecemos mais sobre suas propriedades, o que nos leva para várias teorias sobre “Vingadores 4”. Também somos apresentados aos vilões do longa: Sonny Burch (Walton Goggins) e a Fantasma (Hannah John-Kamen). Enquanto Burch seria apenas mais interesseiro pelas tecnologias de Hank Pym, o que acabou tornando ele algo bem desnecessário nesse filme, Fantasma é muito bem construída durante a obra, apresentando tantos motivos plausíveis que chega a ser difícil não entender seu lado da história.

Foto: Divulgação

Comédia no ponto certo

Peyton Reed retorna como diretor e usa a mesma fórmula que aplicou no primeiro filme, utilizando do humor em várias cenas e, ao contrário de “Thor: Ragnarok”(2017), se encaixa bem com o momento, sem parecer “forçado”. Paul Rudd, Michael Douglas estão bem soltos com seus personagens, mas é Evangeline Lilly que brilha nesse longa. A Vespa toma os holofotes do Homem-Formiga, apresentando ótimas cenas de ação, um humor bem sarcástico e uma maior maturidade que o personagem de Paul Rudd.

Por outro lado, Luís (Michael Peña) e seus parceiros Kurt (David Dastmalchian) e Dave (T.I.) apenas repetem o que já fizeram no primeiro longa, apesar de funcionar e gerar boas risadas. A presença deles em sua maioria foi apenas para criar um alívio cômico.

Foto: Divulgação

Cena pós-créditos e Guerra Infinita

Já era esperado que “Homem-Formiga e a Vespa” iria mostrar algo sobre os acontecimentos de “Vingadores: Guerra Infinita” e possíveis dicas sobre “Vingadores 4” (2019). Porém, isso só foi feito na primeira cena pós-créditos do filme. Vemos Hank, Janet, Hope e Scott preparando o novo Túnel Quântico. Scott é mandado para o Reino Quântico com o objetivo de carregar um depósito com partículas quânticas, para curar a Fantasma. Antes de entrar no túnel, Janet explica para Scott ter cuidado para não ser sugado por um vórtex temporal.

Quando Scott se comunica para voltar ao mundo normal, não há resposta. Ele inicialmente pensa que é uma pegadinha, mas logo percebe que algo está errado e se desespera. A câmera retorna ao terraço com cinzas, mostrando que Hank, Janet e Hope não sobreviveram ao estalar de Thanos. Assim, Scott fica preso como Janet ficou.

Isso pode ser uma das explicações das fotos vazadas de “Vingadores 4”, onde vemos Scott junto Tony Stark (Robert Downey Jr.) e Steve Rogers (Chris Evans) na Batalha de Nova York de “Os Vingadores” (2012).

Foto: Divulgação

Veredito

“Homem-Formiga e a Vespa” deixou uma sensação gostosa de filmes clássicos da “Sessão da Tarde”, algo para ser assistido com a família, dar boas e longas risadas e apreciar grandes cenas de ação. O longa é praticamente isolado do Universo Cinematográfico Marvel (MCU), então, pode ser assistido com facilidade para quem não está atualizado com tudo o que está acontecendo na franquia.

A adição do Reino Quântico na obra, por mais que não tenha sido tão bem exposto, abre muitas portas para os próximos filmes do MCU, como “Vingadores 4” (2019) e  “Capitã Marvel” (2019). No fim, é uma produção que não se arrisca, porém não decepciona aqueles que já se acostumaram com o estilo do estúdio.

Foto: Divulgação