Veredito de Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald

14/11/2018 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

O mundo mágico da franquia Harry Potter ganhou mais um filme para a alegria dos fãs. “Animais Fantásticos – Os Crimes de Grindelwald” (2018) é dirigido por David Yates, com roteiro e produção da autora do universo J. K. Rowling. O longa chega as telonas nesta semana e nós já conferimos. Pegue sua varinha e venha acompanhar nossas impressões!

Continuando a história

Após a prisão de Grindelwald (Johnny Depp)  pela Macusa, uma espécie de Ministério da Magia Americano, ele cumpre a promessa de fuga. Seu principal objetivo é unir todos os bruxos de sangue puro para a dominação do mundo e, de certa forma, diminuir a população de seres não-mágicos.

Enquanto isso, Alvo Dumbledore (Jude Law) procura seu ex-aluno Newt Scamander (Eddie Redmayne) para enfrentar o problema e evitar que Grindelwald consiga atingir seus objetivos. Scamander não está sozinho nessa missão, uma vez que os amigos Jacob (Dan Fogler), Queenie (Alison Sudol) e Tina (Katherine Waterston) o acompanham.

Foto: Divulgação

Quem é o protagonista?

Apesar da franquia spin-off ter Newt como protagonista, nesse filme ele é deixado um pouco mais de lado para a construção do enredo, principalmente por que esse filme funciona um pouco para explicar de quem e quais são os planos que Grindelwald busca cumprir. O vilão está em boa parte do filme, mas fisicamente o personagem de Johnny Depp está presente em poucas cenas.

Mesmo Scamander não sendo tão explorado, o universo dele, junto de suas criaturas, ainda são mostrados. Aliás, novas criaturas mágicas aparecem. Ainda que não seja o ponto principal, a jornada do bruxo serve como um plano de fundo que abre caminho para um futuro promissor.

Atores e personagens

Jude Law como Dumbledore está impecável. O ator ralmente lembra o bruxo, trazendo algumas características dele, mas sem estereotipar ou mesmo exagerar nos trejeitos. Já Eddie Redmayne continua com os excessos de expressões característicos do teatro, mas que não chegam a atrapalhar a interpretação de Newt.

Quanto à Johnny Depp não há uma atuação brilhante, mas também não deixa a desejar. Na verdade, faltou tempo para Grindelwald se mostrar um sumo vilão maléfico, principalmente porque ele teve poucas cenas solo. Isso não prejudica tanto a intenção de mostrar o quanto de poder ele tem, mas é bem verdade que isso poderia ter sido mais amarrado.

Assim como no primeiro longa, Jacob (Dan Folger) funciona nesse filme como um alívio cômico. Entretanto, dessa vez suas cenas podem parecer meio deslocadas, visto que o personagem não tem tanto espaço e o enredo tem um tom mais sombrio, quase sem nenhum momento de respiro.

Foto: Divulgação

Veredito

O filme tem um ritmo diferente do cinema usual, principalmente porque J. K. parece não estar tão acostumada a escrever roteiros para telona. O longa não está dividido em atos e algumas cenas se arrastam um pouco. De certa forma, esse filme serve para preparar o espectador para um grande conflito que deverá vir no(s) próximo(s) filme(s) da franquia.

Para quem é fã, esse com certeza será melhor que o primeiro filme, já que a construção do universo foi feita de forma para arrebatar mais ainda. Já quem não assistiu o primeiro ou não é tão conhecedor desse mundo, pode não entender nada ou mesmo achar o longa chato. Afinal, lembre-se que esses filmes funcionam como episódios de uma grande série. (#Rebeca)

Foto: Divulgação