O que achamos do anime B: The Beginning

20/03/2018 - POSTADO POR EM Animes / Mangás
Post thumbnail

Após o sucesso de “Devilman: Crybaby” (2018), a Netflix vem apostando mais em animações japonesas e, no início de março, lançou um novo anime chamado “B: The Beginning”, que traz uma história inédita criada e produzida pelo próprio serviço de streaming. Confira agora a nossa avaliação dos lados positivo e negativo desta trama.

História Confusa

Tudo começa pela sinopse do anime, vemos que se trata de uma animação com muitos temas, entre eles: drama, suspense, ação, sobrenatural, investigação policial e algumas pitadas de um terror mais adulto. Logo no início do anime, já percebemos que se trata de uma história com dois protagonistas, Koku e Keith Flick, que se encontram em suas histórias de alguma maneira. Porém, esse detalhe só é revelado um pouco depois.

A partir do momento que as histórias se cruzam, percebe-se que os roteiristas tiveram pouco tempo para desenvolver as histórias de seus personagens principais, e estes acabam jogando as informações para seus espectadores não ficarem completamente perdidos. Neste ponto, o anime passa a ser muito confuso com alguns furos de roteiro que acabam prejudicando a história e o desenrolar da trama.

Podemos dizer que o que salva essa história é a interação que rola entre os personagens da Força Policial Real (RIS), onde cada personagem ali é bem trabalhado, e a dinâmica que rola entre esse grupo, que é muito boa. Fazendo com que cada personagem tenha uma personalidade distinta e seu papel na história.

Animação

Por se tratar de um anime produzido pela Production I.G (iniciais de seus donos Mitsuhisa Ishikawa e Takayuki Goto) já esperávamos grandes cenas de ação. Esta empresa é responsável por muitos sucessos no mundo das animações, entre eles, “Psycho-Pass”(2012), “Ghost in the Shell”(1995), “Shingeki no Kyojin”(2013), entre outros clássicos.

Em nenhum momento do anime seus traços deixam a desejar, nós já começamos a história com grandes paisagens muito bem detalhadas e personagens muito bem desenhados da cabeça aos pés. Sem falar das cenas de luta que são extremamente lindas, redondas e fluidas. É possível ver cada movimento do personagem na hora da ação, enxergando e entendendo a experiência que esse anime traz.

Divulgação

Trilha Sonora

Uma trilha sonora impecável feita por Yoshihiro Ike, o mesmo responsável pela trilha sonora de “Beck: Mongolian Shop Squad” (2010), junto da animação, faz com que a imersão do espectador seja muito maior. Por ser uma trilha sonora inteira instrumental, temos a impressão de que cada música foi realmente pensada e produzida para aquele momento em específico. Cada personagem e cada momento do anime têm um tom único muito bem pensado e encaixado na trama.

Veredito

Trata de um bom anime, com ótimas animações e uma trilha sonora impecável, mesmo sendo primeiro em que a Netflix teve total influência, tanto no roteiro como na produção. Entre os animes com o mesmo tema diria que “B: The Beginning” tenta chegar próximo de um “Psycho-Pass”(2012), onde a narrativa é muito mais explorada com um número de episódios muito maior, o que no final das contas pesa bastante.

Nós temos um fio de esperança que aparece na cena final do anime, dando a entender que uma continuação será feita, o que deixa um espaço para a Netflix explorar muito mais esse universo que tem tudo para se tornar um sucesso no mundo das animações.

Divulgação