Veredito da primeira temporada de The Innocents

12/09/2018 - POSTADO POR EM Séries
Post thumbnail

A Netflix  vem realizando cada vez mais séries e filmes originais por todo o mundo. Desta vez, uma produção britânica tem se destacado: The Innocents. Uma série com apenas oito episódios (de aproximadamente 50 minutos de duração, cada um), repleta de atores não muito conhecidos por aqui, exceto Guy Pearce, já renomado por “O Conde de Monte Cristo” (2002),  “Homem de ferro 3” (2013) e “Amnésia” (2000).

Confira agora o que achamos dessa nova aposta do serviço de streaming.

P.S: Esta matéria pode conter spoilers.

Uma história de amor adolescente

A premissa de “The Innocents” envolve um casal de adolescentes, June (Sorcha Groundsell) e Harry (Percelle Ascott), que resolve fugir junto para viver um “amor bandido”. June tem a vida controlada rigorosamente pelo pai, John (Sam Hazeldine), depois do abandono da mãe, Elena (Laura Birn). Já Harry vive com sua mãe, Christine (Nadine Marshall), uma policial da cidade onde moram, e tem que cuidar constantemente do pai, que está em estado meio que catatônico, causado após incidente ocorrido anos antes.

Tudo vai se desenrolando perfeitamente bem para os dois, até que um cara chamado Steinar (Jóhannes Hauker) aparece, tentando levar June embora e alegando conhecer sua mãe. Sua intenção é levar a garota até onde Elena está.

Imagem: Divulgação

Trama articulada

Ao ser tocada por Steinar, June se transforma nele, deixando-lhe inconsciente, enquanto ela assume sua forma. Uma espécie de Vampira misturada com Mística, dos X-Men. Ao voltar para Harry, o menino só vê diante de si o próprio Steinar, quando na verdade é June quem está lá, fato em que só acredita quando veem o reflexo no espelho.

Desse ponto em diante, a vida de Harry e June passa a ser uma corrida para fugir de seus pais e de Steinar. Depois descobrimos que o “capanga” trabalha para Dr. Ben Halvorson (Guy Pearce), um psiquiatra que realiza estudos com algumas mulheres detentoras do mesmo dom que June, inclusive sua mãe, Elena. Nessa fuga desenfreada, o casal também busca se encontrar, tanto pelas descobertas da adolescência e dos sentimentos de cada um, quanto pelas descobertas do dom de June.

Imagem: Divulgação

Mitologia nórdica

A base para os poderes de June, sua mãe e algumas outras personagens da série é herança da mitologia nórdica, mais especificamente da lenda dos Berserkir – guerreiros abençoados por Odin que lutavam como verdadeiros animais, o que geralmente acaba lhes comparando a ursos ou lobos. Na série, a ideia é de que cada Berserker se transforma literalmente nos animais cujas peles tocassem. Com o passar dos anos, esse fenômeno continuou a acontecer, mas dessa vez, manifestando-se apenas em mulheres, como um gene mutante, transmitido de forma hereditária.

Imagem: Divulgação

Veredito

“The Innocents” surpreende em muitos pontos, como na originalidade de seu enredo e na afinação e sintonia do elenco, que apesar de desconhecido, não deixa nada a desejar se comparado a séries com elencos estelares. Groundsell e Ascott convencem muito como casal e conseguem transmitir o drama de seus personagens em toda sua complexidade de sentimentos e revelações, levando o espectador a torcer fortemente para que fique tudo bem com os dois.

A série pode até começar um pouco devagar, mas depois que “engata a marcha” consegue desenrolar os eventos de forma tranquila, sem se tornar chata ou maçante. Os efeitos especiais não têm um nível Hollywoodiano, mas são aceitáveis e não interferem em nada no contexto geral. Já a fotografia é belíssima e passa o sentimento exato que cada cena exige, quase como se fosse um personagem sombrio, adicional à trama.

Muitas perguntas lançadas nos primeiros episódios vão sendo respondidas no decorrer da história, o que permite às peças se encaixarem direitinho em direção a um desfecho plausível. Apesar de ser previsível em muitos pontos, “The Innocents” também tem uma recorrência de evidências que te deixa de queixo caído, principalmente a cena final. Eu (#Rafael) pelo menos tremi de raiva. Fica o anseio por uma continuação logo ali.

Então, vamos torcer para que haja renovação de temporada, e assim que possamos acompanhar mais desses inocentes que estão apenas começando a conhecer a si mesmos, a vida e seus mistérios.