Oscar 2019: Prevendo os vencedores – Parte 1

21/02/2019 - POSTADO POR e EM Filmes E Oscar
Post thumbnail

Depois de meses de cerimônias, buzz e glamour, estamos chegando ao fim da temporada de premiações. Como de costume, o melhor fica para o final e o último prêmio é o mais aguardado. Esse ano, o Oscar vai ao ar no domingo (24), às 22h, com uma cerimônia marcada por controvérsias em busca de recuperar a audiência de uma das maiores noites da televisão americana (mas em constante declínio nos últimos anos). Apesar de apreensivos, estamos curiosos, e você vai poder conferir a cobertura do evento em nossas redes sociais.

Aqui, temos as principais apostas para os vencedores da noite. Assim como apresentamos duas listas com os possíveis indicados, esta é a primeira parte das apostas, onde mostramos quem provavelmente deve levar as estatuetas nas categorias mais técnicas do maior prêmio do cinema.

Melhor Trilha Sonora Original

Destaque nas categorias técnicas, “Pantera Negra” mistura os tradicionais tambores africanos com uma pegada mais eletrônica e do rap, representado Wakanda como um território sagrado e moderno ao mesmo tempo. Já “Infiltrado na Klan” traz uma atmosfera setentista com suas músicas estilo Soul e R&B.

Em “Ilha dos Cachorros”, a trilha ajuda para o tom cômico, como em todo filme de Wes Anderson, dessa vez no Japão. Sendo um musical, não é surpresa “O Retorno de Mary Poppins” ser indicado, ainda mais pelas músicas leves e reconfortantes do longa, remetendo ao clássico original.

Quem se destaca na categoria é “Se a Rua Beale Falasse”, com uma trilha à base de cordas que migra entre o drama e o romance da trama com naturalidade, sendo tanto melancólica quanto alegre.

  • Terence Blanchard (“Infiltrado na Klan”)
  • Nicholas Brittel (“Se a Rua Beale Falasse”)
  • Alexandre Desplat (“Ilha dos Cachorros”)
  • Ludwig Goransson (“Pantera Negra”)
  • Marc Shaiman (“O Retorno de Mary Poppins”)

Foto: Divulgação

Melhor Canção Original

Se há um prêmio garantido para o filme estrelado por Lady Gaga é o de Melhor Canção Original. “Shallow” já transcende o mundo do cinema e ultrapassou “Thriller”, de Michael Jackson, como a música mais premiada de todos os tempos, estando atrás apenas de “Formation”, da Beyoncé. Devido ao sucesso, a Academia deve reconhecer a composição e seu impacto na indústria.

O filme antológico dos irmãos Coen para a Netflix, “A Balada de Buster Scruggs”, surpreendeu com 3 indicações ao Oscar. A canção country-folk que conclui a primeira história é uma pérola irônica, mas que na corrida fica atrás de “All The Stars”, do prolífico rapper Kendrick Lamar, responsável por coordenar o álbum de músicas inspiradas em “Pantera Negra”

  • “Shallow” (“Nasce uma Estrela”)
  • “All The Stars” (“Pantera Negra)
  • “The Place Where Lost Things Go” (“O Retorno de Mary Poppins”)
  • “When A Cowboy Trades His Spurs for Wings” (“A Balada de Buster Scruggs”)
  • “I’ll Fight” (“RBG”)

Melhor Maquiagem e Cabelo

A diminuta categoria conta com três transformações marcantes. As imagens de Margot Robbie como a Rainha Elizabeth I e seu rosto coberto de pó de arroz são uma das mais eloquentes da temporada. O sueco “Border” fez o uso de próteses para trazer à vida criaturas místicas numa fantasia romântica. Quem assume a dianteira, entretanto, é “Vice”, ao transformar Christian Bale em uma perfeita cópia do político americano Dick Cheney.

  • Duas Rainhas”
  • “Vice”
  • Border”

 

Foto: Divulgação

Melhor Figurino

Filmes de época sempre saem em vantagem nesta categoria. Dos indicados, apenas dois estão concorrendo também a Melhor Filme, o que os transforma em favoritos. Sandy Powell repete o seu feito de 2015 e concorre com ela mesma por dois filmes distintos, “A Favorita” e “O Retorno de Mary Poppins”. A figurinista já levou o prêmio três vezes, pelos filmes “Aviador” (2004) “Shakespeare Apaixonado” (1998) e “A Jovem Rainha Vitória” (2009).

Caso seus votos sejam divididos, quem leva a melhor é Ruth E. Carter, que em sua terceira indicação tem chances de ser premiada por seu trabalho de vestir a realeza africana de Wakanda, misturando elementos clássicos e futurísticos em “Pantera Negra”.

  • Duas Rainhas”
  • “O Retorno de Mary Poppins”
  • Pantera Negra”
  • “A Favorita”
  • A Balada de Buster Scruggs”

Melhor Documentário

Com o franco favorito da disputa (“Won’t You Be My Neighbor?”) ignorado pelo Oscar, a competição se torna mais imprevisível, com dois títulos em evidência brigando pelo prêmio. “RBG”, indicado em duas categorias, narra a história de Ruth Bader Ginsburg, Juíza Associada de Justiça da Suprema Corte dos EUA e figura proeminente nas lutas pela igualdade de gênero e pelo direito das mulheres.

“Free Solo” documenta a escalada de Alex Honnold ao monte El Captain Wall, em Yosemite. Sem cordas ou qualquer tipo de equipamento de segurança, Alex escalou cerca de 1 km com as próprias mãos, realizando um dos maiores feitos do esporte.

  • “Of Fathers and Sons”
  • “RBG”
  • “Free Solo”
  • “Minding the Gap”
  • “Hale County This Morning, This Evening”

Foto: Divulgação

Melhor Documentário em Curta-Metragem

End Game” lida com os desafios diários de pacientes hospitalizados em estado terminal de um modo mais otimista do que normalmente é retratado. Disponível na Netflix, o curta foi dirigido por Rob Epsteins, premiado pelo Oscar em duas ocasiões, na mesma categoria. Em um resgate histórico, “A Night at the Garden” exibe um comício nazista em Nova York, logo antes da Segunda Guerra explodir. Embora quase centenário, o discurso de ódio da época reverbera atualmente em diversos países, fazendo um paralelo político que interessa a Academia.

Black Sheep” e “Period. End of Sentence.” abordam o preconceito contra negros e contra mulheres em vizinhanças nos EUA e na Índia, e a luta diária para enfrentar uma ignorância em comum em diferentes sociedades. Foi a primeira indicação ao Oscar para ambos diretores.

Vitorioso em diversos prêmios até então, “Lifeboat” se destaca na categoria pela tensão entre missões de resgate a imigrantes do Norte da África, na tentativa de entrar na Europa. Sem receio de mostrar o desespero e as consequências das viagens através do mar, o curta vem forte no Oscar pelo impacto mostrado na busca de refugiados que almejam uma vida mais digna e acabam encontrando um destino que não imaginavam.

  • “Black Sheep”
  • “End Game”
  • “Lifeboat”
  • “A Night at the Garden”
  • “Period. End of Sentence.”

Melhor Direção de Arte

Assim como a categoria de figurino, longas de época pomposos indicados a Melhor Filme levam vantagem. Mas ultimamente as categorias não têm necessariamente premiado as mesmas produções, o que faz com que Pantera Negra” possa levar a melhor sobre “A Favorita”.

Enquanto um fez um design de interiores meticuloso, com corredores secretos do palácio e salões ameaçadores, o outro fez toda uma construção de mundo para a pátria de Wakanda, com diversos símbolos espalhados pelas ruas e prédios. Indo desde detalhes inteligentes como uma espaçonave no formato de tradicionais máscaras africanas até a construção de um requintado cassino contemporâneo nas ruas da Coréia do Sul, o filme de Ryan Coogler tem potencial para não sair de mãos vazias na grande noite.

  • “Pantera Negra”
  • “O Primeiro Homem”
  • “A Favorita”
  • “O Retorno de Mary Poppins”
  • “Roma”

Foto: Divulgação

Melhor Montagem

Criticado pelo exagero de cortes em cenas simples, “Bohemian Rhapsody” concorre pelas dinâmicas cenas de palco unidas a uma ótima mixagem de som. O humor e a direção de “Infiltrado na Klan” são alavancados pelo bom trabalho de montagem, ainda mais no fim do longa, com uma série de filmagens reais de manifestações racistas nos EUA.

A disputa fica entre uma edição mais calma que balanceia a presença das três protagonistas em “A Favorita” e a mais agitada de “Vice”, do editor Hank Corwin, que já virou marca dos filmes de Adam McKay. A irreverência na direção de “Vice” contribui mutuamente com a montagem para um filme rápido e impactante, aumentando suas chances no prêmio.

  • “A Favorita”
  • “Bohemian Rhapsody”
  • “Green Book: O Guia”
  • “Vice”
  • “Infiltrado na Klan”

Melhor Fotografia

Mesmo em “desvantagem” por ser exibido em preto e branco e em proporção de tela reduzida para 4:3, “Guerra Fria” conseguiu uma indicação por seus planos abertos de alto contraste, sempre com um fundo desfocado na presença do casal principal. Por esse aspecto mais clássico, o longa polonês vem encantando o público como uma carta de amor a filmes de romance em tempos de guerra.

Em sua produção mais convencional até o momento, Yorgos Lanthimos encarregou seu colaborador de longa data Robbie Ryan com a excentricidade que era de se esperar.  A fotografia de “A Favorita” acaba sendo seu aspecto mais subversivo ao fazer uso das chamadas “lentes de peixe”.

Matthew Libatique fez um uso excelente das cores em “Nasce uma Estrela”, com os holofotes e as luzes dos bastidores iluminando o romance de Cooper e Gaga. Porém no fim do dia, a expertise de Cuarón e o primor técnico exibido pelo diretor em “Roma”  deve levar a melhor.

  • Alfonso Cuarón (“Roma”)
  • Matthew Libatique (“Nasce uma Estrela”)
  • Lukasz Zal (“Guerra Fria”)
  • Caleb Deschanel (“Nunca Deixe de Lembrar”)
  • Robbie Ryan (“A Favorita”)

Foto: Divulgação

Melhores Efeitos Visuais

O primeiro Oscar da Marvel finalmente pode chegar com “Vingadores: Guerra Infinita” despontando como o favorito na categoria de Efeitos Visuais. O nível de complexidade envolvido em um dos maiores blockbusters da década exigiu um trabalho árduo com as tecnologias mais avançadas de foto-captura para dar vida a Thanos, verdadeiro protagonista do longa.

Em sua meticulosa refilmagem da viagem à lua, Chazelle se utilizou de um misto de velhas e novas técnicas dando preferência aos efeitos práticos (Kubrick estaria orgulhoso), fazendo com que O Primeiro Homem” corra por fora.

  • Jogador Número 1
  • Han Solo: Uma História Star Wars”
  • Vingadores: Guerra Infinita”
  • Christopher Robin: Um Reencontro Inesquecível”
  • “Primeiro Homem”

Melhor Curta em Animação

Neste ano, quase todos os curtas animados trabalharam com o mesmo tema: relações familiares. Com exceção de “Animal Behavior”, em cada um houve algum tipo de perda na família que comove por sua proximidade com a vida de milhares. Quais parentes nunca sofreram por seus filhos, ou que filhos nunca se preocuparam com seus pais?

Em “One Small Step” é explorada a relação entre a filha e seu pai, que só têm um ao outro. Já em “Late Afternoon”, uma mãe e sua filha viajam por seus passados onde tudo parecia mais simples, na primavera da infância. Com foco no dia a dia de um garoto cujos pais são separados, “Weekends” comove pela sensibilidade em retratar a realidade de tantas crianças pelo mundo.

Bao” inova por desenvolver uma história tão simples como o crescimento de uma criança, com a diferença de ter um bolinho asiático desempenhando este papel na vida da mãe. Produzido pela gigante Pixar e exibido logo antes de “Os Incríveis 2” nos cinemas, o curta aproveitou o sucesso de um filme tão visado para pegar quem foi ao cinema de surpresa, repercutindo por dias nas redes sociais. A Pixar novamente afirma seu favoritismo.

  • Bao”
  • “Late Afternoon”
  • “Weekends”
  • “Animal Behaviour”
  • “One Small Step”

Foto: Divulgação

Melhor Curta-Metragem

Dos indicados em melhor curta live action deste ano, todos possuem temas sombrios. O polêmico “Detainment” aborda a história real de um garoto inglês que foi assassinado por dois meninos de 10 anos. Após a indicação, a família da vítima entrou com uma petição online para que o filme fosse desclassificado pela Academia, sob o pretexto de insensibilidade.

“Skin” retrata um grupo de skinheads e ressoou tanto com as audiências que já foi transformado em um longa metragem estrelado por Jamie Bell e Vera Farmiga. Quem deve mexer com o coração dos votantes é o canadense “Marguerite”, ao trazer uma senhora idosa recontando sua vida para a cuidadora, a partir de velhas fotografias.

A imprudência durante a adolescência se transforma em desespero em um cenário cinzento e deserto de “Fauve”, que impressiona por grandes planos gerais em uma mina aberta e pela qualidade na atuação de um dos jovens protagonistas.

  • “Fauve”
  • “Detainment”
  • “Marguerite”
  • “Mother”
  • “Skin”

Melhor Edição de Som

Responsável pela criação e pela captação de elementos sonoros para um filme, a edição de som tenta deixar a sonoridade do longa o mais natural e realista possível. Normalmente, quanto mais ação na história, maiores são as chances de levar a estatueta nesta categoria. Portanto, “Pantera Negra” e “Um Lugar Silencioso” podem levar vantagem, embora o último tenha como proposta básica a falta de ruídos.

Com um ambiente caseiro, “Roma” aposta no simples bem executado para ter chances na categorias. Já “Bohemian Rhapsody” confia na icônica musicalidade do Queen para construir o longa, mostrando processos de criação de algumas canções. Em “O Primeiro Homem”, acompanhamos desde as preparações iniciais do projeto da NASA de chegar à lua até o pouso em si, conhecendo os vários testes e problemas técnicos durante os anos. Por ter diversos elementos sonoros difíceis de replicar, como aeroplanos e foguetes, o filme tem grande potencial para levar o prêmio.

  • “Pantera Negra”
  • “Um Lugar Silencioso”
  • “O Primeiro Homem”
  • “Roma”
  • “Bohemian Rhapsody”

Foto: Divulgação

Melhor Mixagem de Som

Para não causar confusão entre as categorias, imagine o seguinte: o editor de som é como um cinegrafista de um vídeo. Ele faz toda a filmagem necessária de um momento, para depois um editor de vídeo, no caso quem faz a mixagem de som, escolher quando e como as imagens gravadas vão entrar no produto final.

Dito isso, “Pantera Negra” mais uma vez se destaca pelas complexas cenas de ação tanto em larga quanto em pequena escala, e por sons que não escutamos no mundo real, como os produzidos pelo metal vibranium. “Primeiro Homem” se assemelha a isso, com sons de maquinaria desconhecidos pela maioria do público.

Porém, a concorrência é forte, pois “Nasce uma Estrela”  e “Bohemian Rhapsody” combinam variados elementos sonoros nas performances de palco, de difícil execução por conta da música, dos instrumentos e do público ao mesmo tempo. “Roma” corre por fora.

  • “O Primeiro Homem”
  • “Nasce uma Estrela”
  • “Pantera Negra”
  • “Bohemian Rhapsody”
  • “Roma”