O que podemos esperar de Pantera Negra?

06/02/2018 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

“Pantera Negra” será a primeira produção Marvel Studios de 2018, com lançamento marcado para 15 de fevereiro no Brasil. Os fãs estão aguardando ansiosamente após a recepção positiva do personagem em “Capitão América: Guerra Civil”. O filme mostrará T’Challa retornando para casa para ocupar o trono de Wakanda, uma nação extremamente avançada tecnologicamente, mas que esconde seu poderio do mundo. Lá, ele descobre que será desafiado por facções do próprio país e precisa encarnar o herói Pantera Negra para garantir sua posição. Com a data de estreia se aproximando, separamos alguns pontos que podem funcionar a favor ou contra a produção.

Fórmula Marvel

Os filmes do Universo Cinematográfico da Marvel estão próximos de fechar vinte produções: “Pantera Negra” será o 18º desta grande franquia. Já ficou claro para o espectador que essas produções seguem uma fórmula pré-estabelecida e não há espaço para muitas inovações em questão de narrativa. Este é um problema apontado por críticos há algum tempo, porém os filmes continuam fazendo sucesso com o público – a questão é até quando.

Não se pode negar que filmes de super-heróis estão na moda, mas vai chegar o momento em que as pessoas vão querer assistir algo além de histórias de origem, mais meio punhado de cenas de ação e eventuais piadinhas para quebrar o gelo. Assim é esperado que a Marvel comece a variar mais essa sua fórmula para continuar atraindo o interesse do público.

Foto: Divulgação

Expectativas altas

Mesmo com este ponto sendo trazido a tona não podemos questionar o hype que se cria a cada produção do estúdio. Todo novo trailer é amplamente comentado na web, temos sites analisando cena por cena e criando teorias para o que essa história pode trazer para o universo expandido. Dessa maneira damos de cara com um grande vilão de qualquer filme que gere tamanho burburinho: a expectativa.

O público tem uma ideia em sua cabeça de que tipo de experiência aquele filme deve lhe proporcionar, e se essas expectativas não forem atendidas, uma produção boa torna-se regular, e a regular torna-se péssima. Temos precedentes no próprio universo Marvel. “Homem de Ferro 3” estava sendo bastante aguardado e as pessoas ficaram animadas com o vilão Mandarim, mas quando este se revelou uma farsa, muitos fãs ficaram desapontados (sem falar dos outros problemas do longa que o levaram a ser um dos mais mal avaliados da franquia). Portanto “Pantera Negra” vem com o desafio de ser tudo aquilo que o público deseja ver, uma novidade para o estúdio em questão de trama e um bom filme que traga representatividade.

Foto: Divulgação

Maior afastamento do universo Marvel

Diferentemente da maioria dos filmes da Marvel Studios que trazem os super-heróis em ambientes urbanos, normalmente nos Estados Unidos, “Pantera Negra” chega para nos apresentar um ambiente inédito: Wakanda, com uma sociedade tecnologicamente avançada, nova cultura e modelo de sociedade. Isso por si só já nos oferece uma enorme gama de possibilidades. Teremos um filme protagonizado por um rei, cuja face de herói é algo pertencente às suas tradições, e terá que enfrentar um estopim de uma guerra civil que pode se espalhar para o resto do mundo.

Em entrevista, o produtor Nate Moore já afirmou que não trará outro herói do universo Marvel para fazer participação no filme, então teremos uma trama absolutamente interna. Apesar disso, o longa ainda deve trazer ligações com o resto da franquia, já que precede o terceiro filme dos Vingadores, “Guerra Infinita”.

Foto: Divulgação

Divulgação

Com quatro trailers circulando pela internet já dá para ter uma boa ideia do que nos aguarda em “Pantera Negra”. A ação parece bem presente como em outros filmes da franquia, e observamos uma pegada mais tecnológica devido aos recursos de Wakanda, então o público espera ver uma computação gráfica a altura. A questão cultural também será abordada. Teremos conhecimento dos costumes do país e sobre a ligação espiritual que existe com o título de Pantera Negra.

A trilha sonora terá a grande participação de Kendrick Lamar e pareceu se encaixar bem com a ação da história. Por conta da briga de facções também esperamos uma trama política bem desenvolvida e um vilão mais memorável do que tantos que já passaram por esse universo. O elenco com nomes como Michael B. Jordan, Lupita Nyong’o, Forest Whitaker, Daniel Kaluuya e Martin Freeman confere mais peso à produção.

Foto: Divulgação