Mob Psycho 100: Um mangá com 100% de emoção

05/03/2018 - POSTADO POR EM HQs/Livros
Post thumbnail

“Mob Psycho 100” é um mangá/websérie do mesmo autor de “One Punch Man”, ONE. A publicação está sendo lançada aqui no Brasil pela Panini Comics, que nos enviou o primeiro volume da obra. Por isso, cá estão as nossas impressões!

Sobrenatural

“Mob Psycho 100” conta a história de Shigeo Kageyama, um jovem com poderes telepáticos. Apesar de suas habilidades, Mob, como é conhecido (por ser uma pessoa que não chama atenção), não é um garoto popular ou heróico. Ele passa os seus dias sendo assistente de um pretenso “médium”, Arataka Reigen, e fazendo “vários nadas”. Aparentemente todos “usam” o rapaz de acordo com seus objetivos, mas isso não parece incomodá-lo.

Emoção

Como todo mundo, o jovem paranormal tem um limite: quando suas emoções atingem o ponto máximo, ou seja, quando elas chegam ao nível de 100%, Shigeo explode em fúria, liberando todos os seus poderes. Enquanto normalmente ele é um aluno apático do ginásio, nesse estágio o jovem é capaz de fazer ou dizer qualquer coisa.

Como em “One Punch Man”, existe uma espécie de cadeia emocional que gradativamente vai sendo quebrada. Nos dois trabalhos, ONE pensa personagens que são aparentemente simples, enquanto nas profundezas escondem uma terrível barreira psicológica: uma angústia típica da sociedade na qual vivemos. As pequenas motivações, como comer ou dormir, são coisas realmente importantes para Shigeo ou Saitama, herói do mangá mais famoso, enquanto elucubrações sobre o futuro são sempre pensadas de maneira rápida, com alguns momentos diluídos de epifania. São shonens bastante filosóficos. Mob não sabe muito bem o que quer fazer na vida  – como muitos de nós, suas inseguranças fazem com que ele se anule e passe a viver como um exilado dentro da sociedade que o gerou.

Foto: Divulgação

Kitsch

Sabe aquele traço incrível do Takehiko Inoue, mangaká de “Vagabond”? Pois é, ONE não liga pra isso. O desenho de “MB100” é deliberadamente “tosco”. Suas expressões faciais são exageradas, geralmente vazias. Anatomia? Esquece! A verdade é que, como seus personagens, o desenho da obra é bastante despretensioso. “One Punch Man” contou com um “re-design” por Yusuke Murata e seu traço incrível.

Apesar da “tosquice”, o mangá é bastante divertido de se ler, inclusive pelo jeitão “infantil” dado ao gráfico dos personagens e cenários. A aventura de Mob acabou de começar aqui em terras tupiniquins, e ficamos bastante ansiosos pra saber cada vez mais sobre esse garoto paranormal e, quem sabe, descobrir se em algum momento ele irá tomar um rumo na vida!

Foto: Divulgação

Não deixe de assistir o anime

E para aqueles que não curtem muito uma leitura, existe um anime (inclusive com um traço bem legal, hehe) curtinho, com 12 episódios apenas. Vale a pena conferir, já que a adaptação foi super bem recebida pelo público e todos estão ansiosos pela segunda temporada.