Lista: as 7 maiores diferenças entre Naruto e Boruto

02/08/2020 - POSTADO POR EM Animes / Mangás

Por mais que Boruto e Naruto se pareçam fisicamente porque são pai e filho, suas histórias possuem diferenças que valem a pena serem ressaltadas. Por isso, fizemos questão de apontar sete diferenças – além de seus nomes – para que você tire suas conclusões a respeito da próxima geração de Konoha.

O autor

Naruto e Boruto não possuem o mesmo criador, ao contrário da crença popular. Apesar de ambas as histórias serem publicadas na mesma revista e estarem no mesmo universo (já que uma é a continuação da outra), Naruto e Boruto não possuem a mesma origem nos termos de criação. Enquanto o mangaká de Naruto é Masashi Kishimoto, sendo responsável pelo roteiro e ilustração, Boruto é roteirizado por Ukyo Kodashi, co-roterista do filme Boruto: Next Generation, e ilustrado por Mikio Ikemoto, ex-assistente de Kishimoto.

Imagem: Divulgação

A confiança de Boruto

Enquanto Naruto tem todo um passado sombrio que desenvolvido durante a história, Boruto teve uma família bem estruturada se comparado ao pai, mesmo que ele esteja sempre trabalhando. Hinata é uma típica mãe japonesa, e Boruto cresce com uma confiança de alguém protegido, com roupas novas e mimado, além de ser agraciado com a inteligência e habilidade da mãe e dos avós, o que o torna alguém bem confiante (diferente do pai) e com personalidade própria.

Imagem: Divulgação

Tecnologia em Kohona

Os anos se passaram, e com eles vieram novidades dentro da Vila Oculta da Folha. Konoha possui tecnologia de uma forma explícita e até discutida em Boruto, sendo alvo de ataques algumas vezes. Enquanto em Naruto tudo ainda era feito de uma forma mais secreta, levando em conta o fator ninja e espionagem mais em conta, na história de Boruto você acaba vendo uma negligência nessa área, mesmo que a Vila precise mesmo acompanhar os novos tempos.

Imagem: Divulgação

Anime vs Mangá

Por algum motivo, o anime de Boruto e o seu mangá não são unidos de forma alguma. A história do mangá já está muito avançada se comparada ao anime, que está no que se pode chamar de “um limbo infinito de fillers” e nem é sua culpa, já que o mangá só possui 4 arcos até o momento. Enquanto os produtores de Naruto lançavam episódios (e até mesmo temporadas) fillers para o Kishimoto tivesse tempo de avançar com o mangá sem que o anime tivesse que parar, Boruto simplesmente parece ter desistido do seu roteiro original, o que deixa quem acompanha os dois confuso.

Imagem: Divulgação

O traçado do Mangá

Quem lê o mangá de Boruto e lia o de Naruto não se incomoda tanto com a mudança brusca que é vê-los se não percebe a mudança dos ilustradores. Ikemoto era assistente de Kishimoto, e seu traçado é mais grosso se comparado ao seu antigo mentor, mesmo que bastante semelhante. Outra questão é sua tendência à sexualizar bastante suas personagens femininas, o que já causou algumas polêmicas. Foi o caso da personagem Sarada que, aos 12 anos, estava representada com salto alto e uma saia bem curta, além de que ela seria uma Kunoichi (ninja mulher).

Imagem: Divulgação

Roteiro fraco e lento

Mesmo que Kishimoto não tivesse o final de Naruto fechado em algum lugar da sua gaveta, ele tinha um roteiro para cada arco bem estruturado, que resultava em um caminho muito bem feito e transformou sua obra em um fenômeno. Boruto começou bem, porque se apoiava nesse roteiro e história, mas infelizmente não conseguiu se manter. O roteiro dos quatro arcos do mangá, até o momento, é fraco e lento, querendo manter o leitor num mistério bom, mas que se não se desenvolver logo ou ao menos mostrar que há um caminho, pode fazer o interesse cair de forma rápida, o que vem acontecendo com o anime a cada semana.

Imagem: Divulgação

Falta de Empatia

Enquanto você aprende a ter empatia por cada personagem de Naruto por diversos motivos, mesmo suas falhas, Boruto parece ter esquecido completamente desse fator. Até o presente momento, os antagonistas nos são apresentados sem qualquer estímulo para a história, como se fosse uma mera questão de “o bem vencendo o mal”, e isso traz a problemática de fidelização do público, que estava acostumado a vilões com maior embasamento tal como Pain e anti-heróis como Sasuke e Orochimaru.

Imagem: Divulgação