LISTA: Cinco jogos de terror feitos em RPG Maker

15/11/2017 - POSTADO POR EM Jogos
Post thumbnail

Pra quem não conhece, RPG Maker é um tipo de programa feito para os usuários criarem seus próprios videogames. A maior parte de suas versões têm um editor de mapas, uma linguagem de script simples para eventos, e editor de batalhas, que permitem ao criador dar vida à sua história de um modo prático – se comparado ao verdadeiro trabalho de se fazer um jogo do zero. Apesar de seu nome, ele não serve apenas para RPG, mas também para outros gêneros, como aventura e terror. É um mecanismo de desenvolvimento de jogos tão popular que existem vários games comerciais criados usando o RPG Maker e lançado em plataformas – como a Steam, por exemplo.

Todos os jogos mencionados nesta matéria estão disponíveis para Windows – gratuitamente – em inglês pela tradutora vgperson. Alguns foram trazidos para o português, mas se você entende a língua recomendo as versões dela por serem mais completas.

Misao

Misao é uma estudante do ensino médio que está desaparecida há três meses. Ninguém tem ideia de onde ela pode ter ido, e quase todos já deram a menina como morta – menos Aki, uma colega de classe que constantemente sonha com ela. Quando um misterioso terremoto atinge a escola e vários eventos paranormais surgem em volta dela, todos acreditam que seja Misao buscando vingança. Então cabe a Aki buscar pela escola as partes desaparecidas do corpo da menina para quebrar a maldição.

Se você é um pouco sensível, pense bem antes de jogar: ele contém algumas imagens fortes e retrata vários temas pesados além de assassinato, como bullying e assédio sexual. Fora que ele é campeão em dar jumpscares – é pra já dar um nervoso assim que começa a jogar. Além da versão gratuita, existe uma versão remasterizada pelo criador Sen disponível na Steam!

Foto: Divulgação

Ib

De todos que eu (#Jessica) já joguei, esse com certeza é o meu favorito. Apesar de ser assustador, “Ib” também é emocionante e com uma das melhores histórias já feitas em jogos do seu estilo. Uma menina de nove anos chamada Ib visita uma galeria de arte com seus pais,  para acompanhar a exposição de um grande artista chamado Guertena. Eles deixam que a criança ande sozinha pelo ambiente, e durante um momento em que ela observa um quadro que não entende, de repente Ib percebe que está sozinha.

Ela é atraída para dentro do quadro – sim, dentro – e fica presa dentro do que parece ser uma versão alternativa da galeria. Ao decorrer da história, ela encontra mais duas pessoas que se perderam lá também: Garry, um adolescente que se torna protetor de Ib; e Mary, uma menina simpática da mesma idade dela. Eles se unem para escapar da galeria e precisam desvendar inúmeros enigmas.

São possíveis pelo menos sete finais diferentes para “Ib”, incluindo variações de alguns, tudo dependendo das atitudes que você pode ter ou não durante o jogo. Ele não tem batalhas e não exige tanta habilidade motora, então ele é bem acessível para um público mais abrangente. Ele está disponível em inglês e em português gratuitamente.

Foto: Divulgação

Mad Father

“Mad Father” é o tipo de jogo que você acha que pode estar indo pelo caminho certo e sem perceber dá tudo errado, então tem que prestar bastante atenção. Acompanhamos a vida de Aya Drevis, uma criança que vive numa mansão isolada apenas com seu pai, um cientista. Após a morte de sua mãe, ela se sente bastante sozinha, tendo apenas a companhia de seu coelho de estimação, enquanto seu pai vive enfurnado em seu laboratório com sua assistente. Aya sabe que seu pai tem um segredo assustador sobre os tipos de experimentos que ele conduz lá – ao ouvir sempre inúmeros gritos de pessoas desconhecidas -, porém nunca fez nada por ser seu único parente vivo.

Um dia, no aniversário de morte de sua mãe, Aya acorda no meio da noite e encontra vários experimentos soltos pela mansão, fugindo do laboratório. A partir daí ela precisa resolver vários problemas para poder escapar de todos e encontrar seu pai. “Mad Father” possui três finais diferentes, baseados em suas escolhas. É produzido pelo mesmo criador de “Misao”, e também está disponível tanto gratuitamente como em uma versão remasterizada na Steam.

Foto: Divulgação

The Witch’s House

A jovem Viola acorda no meio de uma floresta, e então ela percebe que sua única saída é bloqueada. Sua única opção é entrar em uma casa misteriosa próxima de onde está, e procurar ajuda. Ela logo descobre a natureza perigosa do ambiente em que está e deve encontrar uma saída. Porém, a casa – que é de uma bruxa – possui cômodos que mudam de forma e lugar o tempo todo, então cabe a menina tentar sobreviver aos perigos e escapar.

Durante o trajeto, Viola é forçada a tomar decisões cruéis para progredir. Isso inclui alguns elementos envolvendo tortura e assassinato, tudo para conseguir sobreviver. Por isso, se você é sensível a alguns conteúdos, apesar de não ser nada realmente gráfico, você pode querer pensar duas vezes antes de jogar. Porém, os puzzles desse jogo são muito interessantes e ele possui apenas um final verdadeiro, porém dependendo de ações feitas, esse final pode ser mais ou menos completo. “The Witch’s House” está disponível em inglês gratuitamente.

Foto: Divulgação

The Crooked Man

Esse é um dos jogos que mais já me deixaram pensando durante o caminho. Ele é realmente um dos mais assustadores da lista, e ao mesmo tempo o verdadeiro terror dele é algo realista. David é um cara que perdeu tudo de importante ao mesmo tempo e está passando pela pior fase da sua vida, levando ele a entrar num leve estágio de depressão. Durante esse tempo, ele se muda para um novo apartamento, onde coisas estranhas começam a acontecer com frequência, então ele decide descobrir informações sobre o antigo morador e logo precisa embarcar em uma busca, completamente fascinado em descobrir o que aconteceu com ele.

“The Crooked Man” é um jogo que te envolve bastante, mexe com o emocional, e mantém uma atmosfera estressante, ao invés de dar sustos aleatórios. O crescimento do personagem lidando com a sua condição psicológica é muito importante não só para o jogo mas pra quem joga também. A lenda é baseada em uma canção de ninar inglesa sobre um homem assustador com o pescoço torto, sendo personagem já de alguns filmes de terror – e vai ganhar seu próprio longa em 2018!

A criadora Uri é bastante famosa por inúmeras obras, sendo “The Crooked Man” provavelmente a mais conhecida de todas – é o primeiro jogo da coleção “Strange Men Series” feita pela game designer. Ele está disponível – junto com o resto da série – aqui.

Foto: Divulgação