Jessica Jones: Entre heroísmo e feminismo

15/03/2018 - POSTADO POR EM Séries
Post thumbnail

Quase três anos após a estreia de Jessica Jones, finalmente os fãs ansiosos da heroína podem conferir a segunda temporada da série. Não por acaso, a Netflix lançou a atração em março, mais especificamente no dia internacional da mulher, já que o seriado possui uma carga de luta feminina em seu cerne.

Confere aí nosso veredito!

Enredo

Após derrotar Kilgrave (David Tennant), Jessica (Krysten Ritter) precisa lidar com todo burburinho causado pelo acontecimento, além de se preocupar por ter sua identidade como integrante de um grupo de ‘heróis’ de Nova Iorque revelada. Por isso, a trama se passa logo após os acontecimentos de “Os Defensores”. Jones ainda enfrenta vários precisa enfrentar vários conflitos, buscando entender mais sobre a origem de sua super força.

Nessa temporada não temos um vilão único. Podemos considerar que os antagonistas seriam os “fantasmas” e os dias “apagados” durante sua internação após o acidente de carro com seus pais.

Foto: Divulgação

Feminismo em Pauta

Não é segredo para ninguém que a Marvel e a Netflix estão tocando em assuntos tão importantes e delicados, principalmente porque os movimentos sociais, como feminismo, estão tomando proporções gigantescas. A primeira temporada trouxe em seu enredo um relacionamento abusivo, entre Jessica e Kilgrave. Enquanto o assunto continua sendo abordado nessa nova fase, agora temos uma visão das consequências, levando o espectador a analisar toda a personalidade de Jones e entender sua “fúria”.

A produção também não teve medo de falar dos casos de assédio a mulheres dentro da mídia, ao tocar sutilmente no assunto com a personagem Trish Walker (Rachael Taylor), já que nos últimos anos vem aumentando o número de denúncias.

Foto: Divulgação

Veredito

Assim como todas as outras produções da parceria Marvel/Netflix, a direção de arte está impecável, se mantendo coerente com o universo construído pela primeira temporada. Temos cenas que aumentam a tensão do espectador no momento certo, graças aos efeitos e a trilha sonora que casaram bem com a trama.

Existem algumas pequenas falhas de roteiro, principalmente ao explicar a história de alguns personagens secundários. Já que os coadjuvantes são tão bons quanto o elenco principal, quem está assistindo quer entender melhor suas motivações.

No geral, Jessica Jones é um das melhores séries já lançadas pelo canal de streaming, principalmente por ter tomado coragem para abordar assuntos tão delicados e permitir que o público feminino tenha uma grande identificação com a personagem. (#Rebeca)

Foto: Divulgação