Halloween – De volta às raízes do terror

23/10/2018 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

40 anos depois dos eventos do filme original de 1978, Michael Myers retorna na continuação de uma franquia que já conta com 11 filmes derivados do clássico de terror “Halloween”, de John Carpenter. É importante ressaltar que essa nova versão ignora os acontecimentos de todos os filmes após o de 78, criando uma linha temporal direta entre o primeiro e o atual de 2018. 

O longa, com direção de David Gordon Green, estreia nesta quinta-feira (25) –  pertinho da festa de Halloween -, momento perfeito para assistir um terror nos cinemas. Saiba o que esperar da produção com o nosso veredito.

Ode ao Mito

Um casal de jornalistas visita o sanatório de Smith Groove para entrevistar o serial killer Michael Myers (Nick Castle), autor de sete mortes no ano de 1978. Alertados pelo Dr. Sartain (Haluk Bilginer) de que Michael não fala uma palavra há 40 anos, o casal insiste em uma reação do assassino através de um gatilho: sua icônica máscara.

Para eles, a lenda do que ocorreu naquele ano é um rico objeto de estudos, com potencial para uma grande reportagem que buscam a todo custo produzir. Sem sucesso, os dois procuram uma das principais vítimas de Myers: Laurie Strode (Jamie Lee Curtis), a única sobrevivente do massacre.

Foto: Divulgação

Trauma de Gerações

Jamie Lee Curtis – inclusive uma das produtoras desta versão – retorna como uma Laurie Strode perturbada pelos pesadelos de seu passado com Michael. Já avó, a personagem passou os últimos anos se preparando para proteger sua família de qualquer forma para uma eventual volta do assassino.

Vemos uma Laurie movida pelo ódio – e principalmente por medo – criando um verdadeiro bunker em sua casa. O tormento do que ocorreu quando era jovem sempre a perseguiu, causando uma difícil e distante relação com sua filha Karen (Judy Greer) e sua neta Allyson (Andi Matichak).

Foto: Divulgação

O Reencontro

Quando um ônibus do sanatório capota e Michael fica livre, Laurie tenta convencer seus familiares de que ele virá atrás deles, como se houvesse uma espécie de conexão do destino entre os dois.A ameaça de Myers deixa um rastro de sangue no caminho até Laurie. Para quem gosta de gore, o filme não decepciona.

O ambiente de horror é alavancado pela famosa trilha sonora de Carpenter, quase idêntica à original. O tom constante de emergência durante a noite do 31 de outubro prepara o terreno para o embate final entre Michael e Laurie. Desta vez, ela o aguardava – e o desejava – ansiosamente.  E nós também.

Veredito

Halloween” fez uma limpeza necessária em uma franquia que perdeu o rumo a partir do terceiro filme. Histórias derivadas e reboots confundiam as linhas temporais da série, corrompendo a sua qualidade.

Felizmente, a versão de 2018 homenageia o clássico original de todas as formas. Desde a trilha sonora até construções narrativas similares ao filme de 1978, a obra é um prato cheio para fãs da saga. Talvez um exagero dessas homenagens tenha tornado certos momentos previsíveis, por espelharem os do longa de John Carpenter – mas nada que prejudique a tensão dos eventos.

Gerações diferentes lideradas por Jamie Lee Curtis encerram a linhagem de terror de um dos marcos do gênero no cinema, neste que, até agora, é o último filme de “Halloween”. P.S.: depois dos créditos finais, há um pequeno detalhe que vale a pena conferir…

Foto: Divulgação