Game of Thrones: The Bells – Review

17/05/2019 - POSTADO POR EM Séries
Post thumbnail

O penúltimo episódio da temporada final de “Game of Thrones” foi ao ar neste domingo e provavelmente foi o mais polêmico até agora. Colocada em um cenário de guerra, vimos Daenerys (Emilia Clarke) tomar atitudes bastantes questionáveis, enquanto seus exércitos em terra tiveram pouca utilidade de batalha, ajudando apenas a aumentar o caos. Além disso, nos despedimos de mais personagens importantes, colocando a série em um terreno difícil para o aguardado fim no próximo domingo (19).

Foto: Divulgação

Traição

O segundo episódio de guerra da temporada mostrou a princípio uma versão derrotada de Dany. A Khaleesi estava reclusa em Pedra do Dragão, sem ao menos alimentar-se, como mostrou a cena entre Varys (Conleth Hill) e um de seus passarinhos. O detalhe dessa passagem é demonstrar uma possível tentativa de envenenamento por parte do eunuco, assim acabando com a sua rainha de forma mais pacífica. Também vimos as cartas que ele andava enviando para qualquer lorde que esteja vivo e governando em Westeros e que poderia possivelmente apoiar Jon (Kit Harington) como o legítimo herdeiro.

Sem surpresa nenhuma vimos a execução de Varys por Daenerys, em uma despedida para o personagem que causou tantas intrigas no reino, e que foi embora plantando mais uma. Na cena seguinte entre Jon e Dany, vimos o nortenho renovando seus votos para a rainha mais uma vez, mas recusando seu amor. O que nos faz questionar o motivo do romance deles ter sido inserido na narrativa para começo de conversa se mal ia durar dois episódios. Não há motivo a não ser colocar mais drama em torno da possível morte da Mãe dos Dragões por ele (falarei disso mais à frente).

Foto: Divulgação

Às portas do castelo

O exército de Daenerys se junta em volta de Porto Real. Enquanto isso os soldados da rainha recolhem a maior parte da população e guardam os muros com enormes balistas, a mesma arma que está em cada navio da Frota de Ferro na baía de Água Negra. A Khaleesi chega montando Drogon e destruindo todas as embarcações em questão de minutos, milagrosamente escapando dos tiros que tão certeiramente acertaram Rhaegal no episódio passado.

A partir daí foi apenas destruição. A tão aguardada Companhia Dourada se colocou à frente de um dos portões da cidade, apenas para ser derrotada pela explosão dos mesmos por conta do fogo de Drogon, não duraram meio segundo da batalha, o que só foi bom para os elefantes que eles não conseguiram trazer e ficaram a salvo em Essos. Os exércitos de Dany invadiram Porto Real, lutando contra os guardas Lannister restantes enquanto Cersei (Lena Headey) observava tudo de cima, ainda desacreditada de sua derrota.

Apenas depois de os guardas se renderem e a população clamar por rendição que os sinos foram tocados, o que significava que a cidade fora tomada. Porém após um breve momento de alívio veio a principal polêmica levantada pelo episódio: Daenerys sobrevoa a cidade com Drogon e começa a despejar seu fogo nos prédios, nos soldados e no povo, que corre desesperado lutando por suas vidas.

Foto: Divulgação

Fogo de dragão

A partir disso não há mais o que fazer, a cidade mergulha em um enorme caos, os soldados de Dany também atacam a população, pilhando e sendo violentos com todos que encontram, reproduzindo o terrível evento do Saque de Porto Real, momento em que os soldados Lannister atacaram a capital no fim da Rebelião de Robert. Jon, que estava nesse meio, tentou forçar os seus guerreiros a parar, mas não teve sucesso, e isso resume a participação dele nesse episódio.

Quem estava no meio dessa confusão era Arya (Maisie Williams), que havia ido atrás de sua vingança contra Cersei, mas ficou presa no meio do caos da destruição da cidade e quase acabou morta incontáveis vezes. Já seu companheiro, o Cão (Rory McCann), conseguiu chegar ao castelo para finalmente ter seu embate com o irmão. A luta foi emocionante e quase teve um desfecho semelhante ao duelo entre o Montanha (Júlíus Björnsson) e Oberyn Martell (Pedro Pascal), mas no final Sandor conseguiu dar um fim épico aos dois, arremessando-os do topo da torre para uma espiral de chamas.

Nesse meio tempo Cersei ficou sozinha no meio de uma Fortaleza Vermelha aos pedaços, apenas para ser encontrada por Jaime (Nikolaj Coster Waldau), que tentou escapar com ela da cidade, acabando de vez com todo o bom desenvolvimento que o personagem alguma vez teve. Os irmãos-amantes terminam morrendo juntos, esmagados pelo castelo em que a Lannister sempre fez tanta questão de se manter.

Foto: Divulgação

Cinzas

No final ficou difícil dizer se ainda sobrou um trono de ferro para Daenerys sentar, ou se a intenção era realmente destruir tudo e fazer uma nova cidade real do zero, ou em outro lugar. A questão é que mesmo que dentro da narrativa de violência e de tendências a tirania dos Targaryen, uma coisa que parece fora do padrão para a Khaleesi é queimar uma população inteira de inocentes porque estava com raiva da pessoa que os liderava.

Essa parece ter sido a forma que os roteiristas encontraram para colocar a sua morte e chocar a todos nós com uma reviravolta, que acabou por se tornar bastante previsível no fim das contas, dado a maneira preguiçosa que a narrativa foi construída. Agora resta saber se o responsável será Arya, como ficou meio implícito pelo teaser do próximo episódio ou se para dar mais carga dramática será Jon que irá matar a amada. Também veremos se ele irá aceitar esse trono que tanto empurram, mas que o nortenho reluta em aceitar. Ou se irá para alguém com um pouco mais de competência e atitude.