Fanfics: As histórias só acabam quando queremos

13/09/2017 - POSTADO POR EM Animes / Mangás, HQs/Livros E Jogos
Post thumbnail

Sabemos que os fãs são muito criativos e vivem idealizando acontecimentos de suas obras preferidas. Quem nunca ficou imaginando o que aconteceria depois de certa cena? Por isso, muitas pessoas se tornam autores de fanfics. Mas espera aí, você não sabe o que são fanfics? Bom, são histórias ficcionais, escritas por fãs e disponibilizadas na nossa amada Internet. Elas se apropriam de personagens e enredos provenientes de filmes, animes, HQ’s etc. Porém, estas histórias não têm nenhuma intenção de violar os direitos autorais. A real finalidade é deixar os fãs mais próximos do que eles mais amam.

Portanto, entrevistamos três autoras de fanfics que contaram um pouco sobre suas experiências, suas inspirações e os maiores desafios. Também juntamos em uma playlist as músicas que mais fazem elas se lembrarem de suas próprias histórias.

Spirit

Spirit é um site gratuito para publicação de histórias. Apesar dele ser bastante conhecido por ser usado pelos autores de fanfics (como as autoras que entrevistamos), também é possível publicar histórias 100% originais. Além disso, ele possui seu próprio aplicativo para iOS e Android.

Ágape

Beatriz P. Max, de 20 anos, começou a escrever fanfic aos 13. “A primeira história que fiz foi sobre ‘Bleach’. Depois produzi uma sobre ‘Fairy Tail’.” Ela parou completamente e voltou no finalzinho de 2016 por causa do anime “Yuri!!! on ICE”. Suas inspirações vêm dos próprios personagens, mas também de experiências pessoais. “O personagem Katsuki Yuri possui a ideia de transtorno de ansiedade. Para apresentá-lo na minha fanfic, ‘Can You Hear, My Heartbeat’, eu juntei esse fato com diversas experiências reais que tive, pois já lidei com casos de amigas muito próximas e alunas onde tive de ter muito cuidado.”

Só nessa narrativa baseada no universo de “Yuri!!! on ICE”,  a autora conquistou mais de 30 mil visualizações e está no Top 10 das mais comentadas da categoria no Spirit. Outra história incrível dela é “Soulmate Never Die”, que além de ter como tema principal a reencarnação, possui o Espiritismo como sua maior inspiração, pois é a doutrina que ela segue.

Atualmente, Beatriz cursa letras e possui dois projetos de livros físicos de ficção científica, aos quais dedica 80% de seu tempo.

Foto: Divulgação

A Marota

Por meio de uma amiga, a universitária Daiane Bündchen, conheceu o mundo das fanfics aos 13 anos. “Passei alguns meses apenas lendo-as e admirando aquele trabalho. Até então eu nunca havia pensado em escrever algo. Quando me surgiram algumas ideias, resolvi passá-las para o papel e, assim, divulgar em algum site de fanfics.” Para tornar o enredo de suas produções mais realistas, ela se inspira em diversas coisas, desde músicas até conversas com seus amigos.

Para Daiane, a maior dificuldade na hora de escrever é como finalizar a história. “Apesar de possuir alguns problemas na desenvoltura da história, sempre houve maior bloqueio na hora de finalizá-la,” conta. Hoje, aos 18 anos, escreveu mais de 20 histórias sobre o universo de “Harry Potter”, sendo “1989 – O Ano de Ouro” a  segunda mais popular da categoria no Spirit, que é sobre um universo alternativo com Pedro Pettigrew, Remo Lupin, Sirius Black e Tiago Potter mais novos.

Foto: Divulgação

A Invocadora

Como qualquer fã, Vitória Farias também queria se apropriar do universo de suas obras preferidas. Atualmente, com 18 anos, cursa design gráfico e conheceu as fanfics em seus 14/15 anos. “Lembro-me que lia todas as fanfics existentes, até mesmo as americanas e japonesas. Foi então que pensei: eu quero fazer isso também, quero ser dona de um universo assim como as pessoas que escrevem isso.” Mas claro que nada é um mar de rosas, e ela nos disse que as duas maiores dificuldades na hora de escrever a história é postar em uma frequência adequada e iniciar algum capítulo novo. “Eu geralmente sei o que quero fazer no capítulo, visualizo os diálogos e até já sei como vou finalizar. Contudo, demoro horas para saber como iniciá-lo.” Sem contar, claro, com a dificuldade de não escrever algo repetitivo.

Vitória ainda confessa que adoraria fazer alguns curtas de animação sobre sua fanfic “Cidade do Progresso… será?”, que se passa no universo de “League of Legends” e tem como protagonistas as personagens Caitlyn, Vi e Jinx. Aliás, a história tem mais de 28 mil visualizações e é a mais popular da categoria no Spirit.

Foto: Divulgação