Escape Room: Uma Experiência Assustadoramente Tediosa

07/02/2019 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

As salas de escape, que misturam suspense e charadas ao propor que os participantes encontrem a saída, tornaram-se um grande sucesso ao redor do mundo, principalmente por levar os jogadores ao extremo do estresse e adrenalina. Essa temática foi levada ao cinema pelo novo longa da Sony Pictures “Escape Room” (2018), filme dirigido por Adam Robitel, responsável por “Sobrenatural: A Última Chave” (2018). Fomos conferir o longa e vamos contar as nossas experiências.

Sinopse

Seis pessoas de personalidades completamente diferente recebem um convite para participar de uma sala onde deverão resolver enigmas e passar por uma experiência completamente diferente, além de  terem seus limites testados. Como prêmio, eles receberão dez mil dólares.

Dentre os participantes, três se destacam: Zoey Davis (Taylor Russell), Ben Miller (Logan Miller) e Jason Walker (Jay Ellis). A primeira é uma jovem universitária, tímida e muito inteligente; Miller é um rapaz bem azarado, vivendo uma rotina modesta e tediosa. Enquanto Walker é um executivo de sucesso.

Zoey é a “cérebro” do grupo, ela é quem resolve os problemas, além de analisar friamente cada situação, já Ben é considerado o azarão, está lá só para “atrapalhar”. Jason é frio, calculista e competitivo, quer sempre ser o melhor e sair o mais rápido possível da situação.  

O que são a salas de imersão ou “escape room”

As salas de imersão são lugares que se tornaram famosas no mundo todo por ser um local onde as pessoas se reúnem para participar de experiências onde charadas (puzzles) são resolvidas pela equipe que tem como finalidade encontrar a saída, ou como sair, do local. Existem vários tipos de lugares, alguns envolvem suspense e terror, outras não.

A capacidade de trabalho em grupo, a inteligência emocional e lógica são as principais características testadas. No filme, a sala escolhida mistura terror e suspense, o que deixa os personagens com os nervos à flor da pele. Nós já participamos dessa experiência duas vezes: em uma sala com proposta de mais suspense, e em outra com a temática mais lúdica.  

Veredito

“Escape Room” estava listado como um dos filmes de terror/suspense mais esperados de 2019 no Brasil. O longa tem um enredo um pouco parecido com “A Casa da Colina” (1999), onde um milionário leva um grupo de pessoas para sua mansão e quem conseguir sobreviver ganhará um milhão de dólares.

Apesar da premissa do filme ser intrigante, o enredo é bem clichê. Em alguns momentos, temos certeza que determinado personagem vai ou não morrer, transformando o longa em uma experiência sem surpresas e monótona. Algumas cenas até podem assustar o espectador, por meio do “jumpscare”, mas é bem raro. Outro problema do longa são os personagens extremamente estereotipados, quem está assistindo não se envolve com a história deles ou desenvolve empatia, transformando as mortes em apenas mais um acontecimento do filme.