Clima de Copa: Animes e mangás inspirados nos países competidores

03/07/2018 - POSTADO POR EM Animes / Mangás
Post thumbnail

Mangás e animes tiram inspiração de diversas coisas, às vezes aleatórias como corridas de cavalos, às vezes mais óbvias como um torneio de luta. Agora que a Copa do Mundo está rolando, você sabia que muitos países servem de referência para várias dessas obras? Mangakás buscam informações em lugares muito distantes, sempre tentando incorporar aos seus trabalhos alguns conceitos dessas culturas tão diversas. Pensando nisso e no clima de HEXA (#EuAcredito), fizemos uma lista com alguns animes/mangás e com os atuais favoritos da Copa pra você que é Otaku, mas também acredita no Neyruto-kun!

França – Radiant

Esse anime é uma nova aposta e, curiosamente, é inspirado em um mangá francês, também chamado “Radiant”(2018), atualmente com três volumes! Tony Valente é um dos raríssimos estrangeiros a emplacar uma obra dessa mídia no Japão. Num universo onde monstros subitamente começaram a cair dos céus, a história de “Radiant” segue Seth, um aprendiz de feiticeiro que busca eliminar a fonte dessa “chuva de monstros”.

A história, um típico Shonen (ou seja, tem como público-alvo rapazes entre 12 e 18 anos), tem muita magia, cenas de ação e humor leve. “Radiant” estreia como o primeiro mangá Francês a ser adaptado para anime na Terra do Sol Nascente, o que é uma grande responsabilidade, já que isso talvez abra um pouco o duro mercado de publicações e animações no Japão.

Brasil – Michiko to Hatchin

O anime da vez não é produzido no “País do Futebol”, mas as inspirações vão desde a trilha sonora até mesmo à língua (escrita) utilizada na animação! De fato, os produtores de “Michiko to Hatchin” (2009) visitaram o Brasil para a partir disto criar o universo da obra. Acompanhando Michiko Malandro e Hana Morenos (Hatchin), somos levados a um mundo violento e cheio de aventuras, numa trama que envolve brigas pelo poder em gangues e uma busca implacável pelo paradeiro de Hiroshi Morenos, pai de Hana e o grande amor de Michiko.

Com apenas 22 episódios, a produção não é muuuito conhecida aqui no país, mas sem dúvidas é uma agradável surpresa, apesar de alguns estereótipos . Produzido pelo mesmo estúdio de “Cowboy Bebop”, o mínimo que se pode esperar é uma ótima trilha musical e um enredo muito denso.

Outros Supercampeões

A Copa de 2018 está uma verdadeira bagunça e já não sabemos mais quem fica, quem sai, quem ganha e quem perde; mas existem muitos países que tiveram participações maravilhosas, tanto no torneio, quanto em animes, como é o caso do México, que influencia diretamente a saga do Hueco Mundo em “Bleach” (2001), de Kubo Tite. Um dos queridinhos da copa, apesar de não figurar como favorito, o país dos Mariachis jogou bem, mas foi eliminado pelo Brasil. No mangá de Kubo, que fala sobre os deuses da morte japoneses, os shinigami, um dos personagens centrais é Sado Masutora, um rapaz com origens mexicanas e que se orgulha muito disto. Além do rapaz, é no quartel general dos antagonistas da série que percebemos diversas referências ao México (ou à língua espanhola), como os nomes das castas dos monstros habitantes de Hueco Mundo.

Imagem: Divulgação

Outro time que está na competição e tem sido bastante referenciado no mundo otaku é o da Rússia. Sim, todo mundo está no hype do filme de “Yuri on Ice” (anime de 2016), e é na figura do gênio Victor Nikiforov, patinador artístico russo, que temos a principal ligação com o país de Zabivaka (pra quem não sabe, esse é o nome do mascote da seleção russa). A campanha do time conterrâneo de Victor tem sido regular e muitos criticaram a partida na qual, assombrosamente, a Espanha, forte candidata a receber o Caneco, foi eliminada por seus anfitriões. No anime, entretanto, é de lá que saem os melhores patinadores artísticos do mundo, incluindo a lenda viva e paixão do personagem principal (Yuri Katsuki), o já citado Nikiforov.

Imagem: Divulgação