Arranha-Céu: Coragem Sem Limite de um herói de ação

13/07/2018 - POSTADO POR EM Filmes
Post thumbnail

Justo quando pensávamos que não havia nada na indústria cinematográfica que The Rock ainda não tinha enfrentado, um gigantesco prédio em chamas se torna seu obstáculo. “Arranha-Céu: Coragem Sem Limite” nos mostra a história de Will Ford (Dwayne Johnson), um veterano de guerra e ex-agente do FBI que agora trabalha como responsável pela segurança de arranha-céus. Ele se torna o principal suspeito do incêndio que consome o edifício mais alto e tecnológico da China, e agora precisa partir em busca dos verdadeiros responsáveis para limpar seu nome e salvar sua família presa dentro do local. Aqui vai o nosso veredito.

A história de um prédio

A premissa de “Arranha-Céu: Coragem Sem Limite” é bem básica. Podemos entender rapidamente as motivações dos personagens, sem muitas reviravoltas. A maior parte da ação se dá dentro do edifício “Pérola”, que representa bem o conceito de alta tecnologia que só é benéfica enquanto está funcionando adequadamente. A partir do momento que o controle é retirado das mãos do proprietário, tudo vai por água abaixo e é muito fácil fazer a estrutura ruir de dentro para fora.

As atuações são medianas, por vezes trazendo caricaturas do tipo de personagem que querem passar. Em questão de trama, tudo fica muito previsível. O roteiro é raso e apoia-se na ação – que afinal é sua grande proposta. Em meio ao clima produzido de tensão, há a tentativa de se inserir alívios cômicos em determinados momentos, mas estes parecem deslocados em relação ao tom sério estabelecido.

Foto: Divulgação

Um motivo para entrar

Toda a questão que envolve a entrada de Will na torre Pérola se dá por conta de sua família, presa dentro dela e bem próxima ao incêndio. É a motivação mais básica do personagem e uma ideia que facilmente se compra, ajudando também a aumentar a tensão quando o vemos tentando desesperadamente alcançar sua esposa e filhos enquanto eles se colocam em situações de risco tentando proteger-se da melhor maneira possível.

A justificativa para a grande habilidade e heroísmo do protagonista vem do seu histórico com o exército e o FBI, mas ele soa quase como inumano em diversas cenas que fazem o espectador rir para si mesmo, dizendo que aquilo nunca aconteceria de verdade. É mostrado que a sua esposa Sarah (Neve Campbell) também é uma ex-militar, cujas atitudes, por sua vez, se valem de ação ou inteligência tática e acabam sendo bem mais palpáveis.

Foto: Divulgação

Ação desenfreada

Claramente o foco principal do filme, a ação que The Rock protagoniza traz cenas agonizantes feitas na parte exterior do prédio, deixando a tensão se acumular na expectativa de uma queda fatal. Não há nada de realmente inovador, mas o longa ganha pontos pela criatividade em inserir novos elementos para a ação. Por exemplo, há uma luta que se vale de espelhos para mudar um pouco a maneira que o confronto acontece, usando bons ângulos de câmera e causando uma confusão proposital.

Porém não podemos deixar de imaginar que diversas situações não ocorreriam nem de longe daquela maneira na vida real, o tipo de licença poética a que filmes de ação nos induzem. No geral os combates são bem coreografados e a computação gráfica usada para cenas mais grandiosas consegue ser decente.

Foto: Divulgação

Veredito

No final, “Arranha-Céu: Coragem Sem Limite” é bem despretensioso. Sua ação megalomaníaca consegue criar um bom nível de tensão ao mesmo tempo em que pode causar descrença. O vilão é apenas um meio para um fim, estando lá para fazer os acontecimentos se desenrolarem e para reafirmar The Rock como um herói casca-grossa que consegue encarar tudo.

É o tipo de filme que busca trazer momentos de divertimento e cenas para vibrar pelos acontecimentos. Enquanto os coadjuvantes conseguem sustentar seus respectivos papéis sem grandes destaques, Dwayne Johnson está com seu carisma intacto, tornando fácil para o público se conectar com a trama de busca e proteção da família. 

Foto: Divulgação