13 Reasons Why: 2 temporada consegue ser ainda mais sombria e perigosa

31/05/2018 - POSTADO POR EM Séries
Post thumbnail

“13 Reasons Why” é uma série difícil de assistir. Se você acompanhou a primeira temporada, sabe do que estou falando, então já deixo avisado que a segunda não pega mais leve com o espectador, na verdade ela consegue ser ainda mais sombria. O sentimento geral ao acompanhar os treze novos episódios é de opressão e impotência, há uma vontade muito grande de interferir nos acontecimentos e poder nenhum para fazê-lo.

De volta a Liberty High

O segundo ano da série começa poucos meses depois do final da anterior. Os pais de Hannah estão movendo uma ação judicial contra a escola, apontando-a como grande culpada pelo suicídio da filha por permitir que o bullying fosse praticado livremente em seus corredores. As pessoas mencionadas nas fitas irão depor e cada uma reage de maneira diferente quanto a isso.

A produção parece ter ouvido as reclamações dos espectadores, e logo no primeiro episódio temos um recado dos atores falando sobre os temas sensíveis que serão abordados, indicando meios de buscar ajuda caso esteja passando por uma situação parecida.

Foto: Divulgação

Em pedaços

Uma palavra para definir os personagens principais: quebrados. Aos poucos, revisitamos todos os que acompanhamos na primeira temporada. Podemos ver as mudanças na vida de cada um. Alguns estão melhores dos que outros, mas nenhum deixou de sofrer as consequências de seu impacto sobre a história de Hannah Baker.

A narrativa soube muito bem desenvolver alguns dos protagonistas e fazê-los evoluir frente às suas versões anteriores. Justin, Zach e Jessica são exemplos, aos dois primeiros foram dados propósitos, eles escolhem se redimir por seus atos. Jess é uma das mais bem exploradas, ela lida a temporada inteira com seu trauma sem a tornarem uma coitada ou aparentar fraqueza.

Já Clay não teve tanta sorte. Com um comportamento explosivo e até egoísta em certos momentos, ele parece lutar com o que seria “manchas” na sua visão perfeita de Hannah. Há cenas pontuais em que o personagem melhora e faz o que é certo, mas no geral não conseguiu crescer como os outros. Alex está quase no mesmo patamar, seus surtos de raiva o deixam com uma imagem infantilizada e mimada.

Foto: Divulgação

O desenrolar dos fatos

Sem os flashbacks trazidos pelas fitas, nesta temporada mergulhamos nos relatos dos personagens em julgamento, o que acrescenta detalhes novos à trama e à própria trajetória deles e de Hannah. Porém, em alguns momentos, as narrativas em off junto às cenas do presente podem desviar a atenção do espectador.

A trama de mistério e investigação dentro do colégio tem um bom desenvolvimento, fizeram bem em dar um propósito para os protagonistas. Entretanto, a impressão que fica é que eles estão enrolando para revelar certas coisas, levando em consideração que a série só tem 13 episódios, poderia ser algo resolvido no começo.

Foto: Divulgação

Veredito

Em questão de narrativa e apresentação de personagens, “13 Reasons Why” consegue ser uma série competente. A trama te envolve e na altura que estamos já nos importamos o suficiente com os personagens para nos preocupar com o seu futuro, embora nem todos ajam como o esperado.

O que ela peca é na abordagem do conteúdo. No ano anterior houve reclamações acerca dessa parte, e a fórmula foi repetida na segunda temporada. A série tem o propósito realmente de chocar para levantar suas discussões, os temas são muito válidos, porém seria necessário um pouco mais de zelo na hora de mostrar. A dica que fica é cuidado na hora de consumir essa série, ela realmente não é para todas as audiências.

Foto: Divulgação